Vale para obra de mina em Itabira e tira trabalhadores do local


A Vale anunciou neste domingo a paralisação das obras de alteamento que vinham sendo realizadas na barragem Itabiruçu, em Itabira, Minas Gerais. De acordo com a empresa, a medida foi “preventiva”.

A mineradora Vale divulgou neste domingo, 28 de julho, que precisou paralisar de forma preventiva as obras de alteamento que aconteciam na barragem Itabiruçu, em Itabira, na região Central de Minas Gerais. A medida foi tomada porque foram identificadas “alterações decorrentes de assentamentos diferenciais no terreno, efeitos passíveis de acontecer durante este tipo de obra”, diz um comunicado divulgado pela mineradora.

Os trabalhadores também foram retirados do local. A empresa diz que não há risco de rompimento. Entretanto, a barragem de 220 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério, em Minas Gerais – 18 vezes maior que a estrutura que se rompeu em janeiro na cidade de Brumadinho, na Grande BH – não teria sofrido alteração nos índices de segurança e estabilidade.

A paralisação aconteceu na tarde de sábado, 27, sendo que a recomendação do responsável pelas obras, chamada de “medida de segurança preventiva” pela Vale na nota, “foi dada após a identificação de alterações decorrentes de assentamentos diferenciais no terreno, efeitos passíveis de acontecer durante este tipo de obra”.

A empresa afirma ainda ter relatado aos órgãos competentes, que já fizeram uma vistoria no local. Além disso, estudos mais aprofundados são produzidos pela mineradora e, se necessário, “medidas corretivas serão tomadas”.

“Importante ressaltar que não há, portanto, qualquer alteração nos índices de segurança e estabilidade da barragem Itabiruçu – Minas Gerais. Cabe ressaltar que a barragem é construída pelo método a jusante, considerado o mais seguro. A Vale realiza o monitoramento integral da estrutura, que teve sua Declaração de Condição de Estabilidade (DCE) renovada em 30 de março deste ano”, conclui o texto.

Um morador da cidade, que disse viver logo abaixo da barragem que teve as obras paralisadas. “Aqui são 33 barragens em volta da gente. Eles estão aumentando ainda mais essa barragem, a diocese aqui da cidade até já fez um protesto. Eles falam que está tudo normal, mas se tivesse eles não teriam tirado todos os trabalhadores de lá”, argumentou.

Itabira, berço da Vale, em Minas Gerais, corre contra o relógio para encontrar alternativas que diminuam o impacto do fim da exploração de minério de ferro pela Vale. De acordo com o relatório 20F, destinado ao mercado internacional e publicado pela empresa em 2017, a previsão é que as minas Conceição 1 e 2 cheguem à exaustão em dez anos.

São cerca de 43 milhões de toneladas por ano. A mineradora informou, que não pretendia sair de Itabira, mas se preparava para mudar o seu negócio. A ideia é que as usinas sejam usadas para beneficiar o minério de todo quadrilátero ferrífero em Minas Gerais.

Ferrovia operada pela Vale, será conectada ao porto do Açu, e terá caminho pelo Comperj

Flavia Marinho

About Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e experiente na indústria de construção naval. OBS: Não contratamos, então não envie currículos! Informações sobre empregabilidade apenas no site.