Tubulações, andaimes e válvulas voam pelos ares com explosão na refinaria da Petrobras na Bahia

Flavia Marinho
por
-
18-05-2021 08:32:30
em Refinaria e Termoelétrica
explosão - acidente - refinaria - petrobras - bahia - RLAM Acidente refinaria RLAM da Petrobras na Bahia em 12-05-2021

Acidente na Refinaria Landulpho Alves (RLAM) causa deslocamento de ar gigantesco, arremessa equipamentos pelos ares e assusta trabalhadores

Na última quarta-feira, 12 de maio, por volta de meio dia, andaimes, tubulações, válvulas, e isolamentos térmicos foram pelos ares com uma explosão na Unidade 38 (linha de H2) da Refinaria Landulpho Alves (RLAM), da Petrobras, localizada na Bahia.

Leia também

Um trabalhador da unidade disse que estava cerca de 30 metros do local quando ocorreu a explosão, “o deslocamento de ar foi gigantesco, o barulho e o silêncio, logo em seguida, ensurdecedores”, disse.

A direção do Sindicato dos Petroleiros da Bahia (Sindipetro-BA) e da Federação Única dos Petroleiros (FUP) disseram que, felizmente, não houve vítimas, mas o cenário poderia ter sido de muitas mortes se o acidente tivesse acontecido fora do horário de almoço. Representantes das duas entidades já entraram em contato com a gerência da RLAM para acompanhar as investigações sobre a causa da explosão.

Refinaria tem funcionado com efetivo reduzido

RLAM, na Bahia, está em parada de manutenção. A Petrobras decidiu implantar o O&M (Organização e Método) e, desde 2017, a refinaria vem operando com efetivo reduzido.

O Sindipetro e FUP tentaram impedir a implantação, inclusive através da justiça, por meio do Ministério Público do Trabalho, alegando graves consequências como a existência de turmas de trabalho sem nenhum operador. Isso obriga os petroleiros da RLAM a abrir mão de suas folgas para cobrir esses espaços vazios e garantir que a planta continue operando.

A refinaria da Petrobras RLAM fica em São Francisco do Conde, no estado da Bahia, e possui capacidade de processamento de 333 mil barris/dia (14% da capacidade total de refino de petróleo do Brasil), e seus ativos incluem quatro terminais de armazenamento e um conjunto de oleodutos que interligam a refinaria e os terminais, totalizando 669 km de extensão.

Após enfrentar batalhas judiciais com sindicatos e petroleiros, Petrobras concretiza venda da refinaria RLAM, na Bahia, por 1,65 bilhão de dólares

Apesar de Sindicatos e petroleiros tentaram impedir a venda da Refinaria Landulpho Alves, a Petrobras informou, em fato relevante na tarde de ontem (24/03), que concretizou, com o grupo Mubadala Capital, o contrato para venda das ações da empresa RLAM e seus ativos logísticos associados, no estado da Bahia, pelo valor de US$ 1,65 bilhão.

De acordo com a Petrobras, o contrato prevê ajustes no valor da venda, em função de variações no capital de giro, dívida líquida e investimentos até o fechamento da transação. A petroleira informa, também, que a operação está sujeita ao cumprimento de condições precedentes, tais como a aprovação pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE).

“Até o cumprimento das condições precedentes e o fechamento da transação, a Petrobras manterá normalmente a operação da refinaria e de todos os ativos associados. Após o fechamento, a Petrobras continuará apoiando a Mubadala Capital nas operações da RLAM durante um período de transição. Isso acontecerá sob um acordo de prestação de serviços, evitando qualquer interrupção operacional. A Petrobras e a Mubadala Capital reafirmam o compromisso estrito com a segurança operacional na RLAM em todas as fases da operação”, disse a Petrobras no comunicado.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.
fwefwefwefwefwe