Início Relatório indica impressionante recuperação da economia no Brasil após as perdas durante a pandemia. Resultados de algumas empresas ultrapassam até os da Apple

Relatório indica impressionante recuperação da economia no Brasil após as perdas durante a pandemia. Resultados de algumas empresas ultrapassam até os da Apple

26 de maio de 2022 às 20:45
Compartilhe
Siga-nos no Google News
economia no brasil pandemia empresas brasileiras
Brasil dá indícios de recuperação após a pandemia com aumento dos dividendos de empresas nacionais | Foto: Peixoto Online

O primeiro trimestre de 2022 iniciou com boas notícias para a economia do Brasil com resultados positivos de diversas empresas após a pandemia

A 34ª edição do relatório sobre investimentos a nível mundial feito pela Janus Henderson Group foi divulgado recentemente e apontou para um cenário promissor da economia no Brasil no primeiro trimestre de 2022, após a pandemia. Diversas empresas brasileiras apresentaram um aumento no pagamento de dividendos, em especial a grande mineradora Vale, que está entre as 10 maiores pagadoras do mundo. A recuperação é substancial e traz otimismo.

A Vale teve uma queda nos dividendos, de US$4 bilhões para R$3,6 bilhões entre metade de 2021 e primeiro trimestre de 2022 devido à queda no preço dos minérios. No entanto, devido a sua importância e dimensões da empresa no cenário mundial, ela conseguiu permanecer na lista dos 10 maiores pagadores de dividendos, em nono lugar, à frente da gigante Apple.

Artigos recomendados

Considerando as indústrias brasileiras, o total trimestral do Brasil alcançou a marca de 7,4%, somando-se nesse valor algumas baixas no Banco Bradesco e aumentos da Ambev, que foram marcantes. Todavia, no cenário da América Latina, houve um crescimento dee 38,8%, impulsionado, em grande parte, pelo Grupo México. Únicos países que tiveram grande baixa nos dividendos, segundo o relatório, foram o Reino Unido e Japão, com taxas registradas em -21,5% e -15,2%, respectivamente.

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

Confira um pouco mais sobre os indícios de recuperação econômica do Brasil com o vídeo abaixo

O Brasil começa a dar indícios de recuperação econômica após a pandemia de Covid-19 | Reprodução: Youtube – Jovem Pan

Na categoria de Empresas dos Mercados emergentes, o aumento também foi significativo, principalmente devido ao mercado de mineração

A categoria de ‘Empresas dos Mercados Emergentes’, na qual o Brasil também é enquadrado, registrou aumento de 45% no pagamento de dividendos no primeiro trimestre de 2022, em relação ao mesmo período no ano anterior. Essa taxa foi a maior, seguida da Europa (sem o Reino Unido) que registrou apenas 14,9%.

No cenário global, os dividendos bateram recorde com total de US$ 302,5 bilhões, com um crescimento equivalente a uma taxa de 16,1%. Isso pode ser explicado pelo aumento dos dividendos no ramo da mineração e energia e de empresas petrolíferas, que marcaram 29,7% e 31,8%, respectivamente, nesse primeiro trimestre de 2022. Dessa forma, estima-se um pagamento inédito de mais de US$ 100 bilhões em dividendos por parte das mineradoras.

Especialistas apontam que a Guerra na Ucrânia tem grande influência nesse cenário, estimulando o aumento dos dividendos nos principais setores afetados: petróleo, mineração e energia.

Todavia, muito desse resultado se deve à normalização do pagamento na recuperação da economia no Brasil e no mundo após a pandemia. No entanto, o segundo semestre de 2021 somado ao primeiro trimestre de 2022 demonstram que o resultado é mais do que apenas fruto da normalização do pagamento, pois houve importante recuperação econômica.

A economia no Brasil não foi a única a se recuperar, pois relatório aponta para um aumento global dos dividendos

Os Mercados Emergentes não foram os únicos a ter um aumento dos dividendos, pois foi algo global. De todas as 1.200 empresas analisadas, 94% apresentaram um aumento dos dividendos ou se mantiveram estáveis nesse primeiro trimestre de 2022.

Os Estados Unidos da Améria (EUA) também tiveram resultados interessantes, como era de se esperar. Por lá, os dividendos de modo geral aumentaram em 10,4% e chegaram a impressionante marca histórica de US$ 141,6 bilhões. Todavia, segundo o relatório, 99% das empresas apresentaram bons resultados, com melhora nos dividendos ou estabilidade nesse primeiro trimestre de 2022.

As previsões do Janus Henderson Group são positivas para a economia no Brasil e no mundo

Tendo em vista essa sequência de resultados positivos, o grupo Janus Henderson fez previsão anual de US$1,54 trilhão para 2022, o que equivale a 4,6% sobre o total obtido no ano de 2021. Os integrantes do grupo estão otimistas para 2022, mas as previsões calculadas para os próximos anos permanecem as mesmas.

O mundo vive um cenário de desafios, galgados pela guerra na Ucrânia, inflação e taxa de juros em crescimento e saída da pandemia, o que pode ter impacto no lucro empresaria em diversos segmentos.

“Estes desafios também significam maior incerteza que provavelmente afetará a tomada de decisões corporativas. É provável que o impacto nos dividendos apareça além de 2022, mas é importante lembrar que os dividendos são muito menos voláteis do que os lucros. Estes últimos geralmente se movem dramaticamente ao longo do ciclo econômico, mas os dividendos tendem a ser muito mais estáveis. Na verdade, o fato de que os dividendos já ultrapassaram os máximos pré-pandêmicos é parte de uma narrativa de longo prazo que destaca como os dividendos provaram ser uma fonte confiável de crescimento de renda a longo prazo. Além disso, este crescimento significa que os dividendos oferecem algum abrigo contra a inflação, o que a poupança pecuniária não pode fazer”

Jane Shoemake, Gerente da Carteira de Clientes da Equipe Global de Renda de Ações da Janus Henderson Group.

O grupo destaca ainda que esses valores são pautados na análise entre períodos das 1.200 principais empresas globais que compõe o índice. Sendo assim, não são considerados dividendos pontuais, afetados por geografia ou setor.

Relacionados
Mais recentes