Pela primeira vez no Brasil Drone é utilizado na inspeção de espaço confinado em plataforma da Petrobras

Terra drone

FPSO P66 da Petrobras foi palco da primeira inspeção em tanques realizada por uma aeronave tipo drone. Atividade foi considerada um sucesso

A tecnologia tem ocupado cada vez mais espaço na execução das atividades da indústria de óleo e gás. Depois da Petrobras desenvolver um robô para pintura de plataformas, foi a vez do uso de drones na inspeção de tanques de FPSOs.
O uso de drones tem crescido muito em todos os ramos da indústria e agora parece que chegou para ficar no segmento de Óleo e Gás.

A subsidiária brasileira do grupo japonês Terra Drone utilizou uma aeronave tipo drone para a inspeção de um dos tanques do FPSO P-66 da Petrobras e os resultados foram muito satisfatórios.
O ineditismo da operação foi motivo de orgulho para o diretor executivo da Terra Drone no Brasil, Marcelo Belleti, afinal foi a primeira vez que utilizou-se um drone para inspeção em espaço confinado no Brasil.

A rapidez (pouco mais de uma hora) com que a inspeção foi executada e a redução de mão de obra, foram necessários apenas dois homens para executar a tarefa, foram as principais vantagens no uso do drone.
Normalmente em uma inspeção em tanque de plataforma se utiliza quatro homens e andaimes ou alpinistas, além do drone ter a sua própria iluminação e não precisar de tal preparação.

A intenção da Terra Drone é fornecer o serviço não só para a Petrobras, mas para as outras empresas atuantes no setor de óleo e gás, na inspeção de flares e medição de espessura de chapas em tanques de navios.

Segundo belleti, a inspeção em flares é muito mais vantajosa quando feita por drones, pois não é preciso interrupção na operação do equipamento para realizar a inspeção.
Além da inspeção visual ainda é possível fazer a inspeção termal do flare e com câmeras de zoom óptico de 30 vezes o drone pode permanecer a uma distância entre 50 a 100 metros de distância.

A empresa

A Terra Drone, um grupo japonês, comprou 50% das ações de 20 empresas prestadoras de serviços ao redor do mundo (incluindo a PlimSoll UAV) subsidiária da PlimSoll, um um grupo de engenharia e manutenção offshore, com 25 anos de mercado.
Hoje a empresa atua os cinco continentes e na América Latina atua em três países. Atualmente a empresa atua em toda a cadeia de óleo e gás e também em energia, mineração e mapeamento.

Leia também ! Transocean acumula US$ 158 milhões em contratos para 2 semi-submersíveis e 3 navios sondas !

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Posted Under
Sem categoria