Mercedes-Benz projeta crescimento no mercado de caminhões, visando a venda de 140 mil unidades em 2022, alta de 10%

Roberta Souza
por
-
14-01-2022 12:50:50
em Automotivo
Mercedes- caminhões - mercado Foto: Reprodução Google Imagens

Mercado de caminhões no Brasil deve ter alta de 10%, presume a Mercedes

Para finalizar a visita ao Brasil nesta semana, a chefe mundial da empresa de caminhões Mercedes-Benz, Karin Rådström, falou no dia 13, quinta-feira, que a reestruturação em andamento no país está se desenvolvendo satisfatoriamente. Entretanto, o trabalho ainda não foi concluído, ela deixou claro.

Confira também:

O plano estratégico da Daimler, controladora da Mercedes, a fim de solucionar as perdas no Brasil, tem entre suas metas diminuir a dependência das peças importadas e ampliar as exportações, de forma que a empresa fique menos suscetível ao câmbio mais caro, junto do corte de custos, como a redução de 10% do salário de departamentos administrativos.

Karin avaliou, nesta quinta, que, contando com a volta da produção depois do impacto inicial da pandemia, as indústrias de caminhões no Brasil estão conseguindo melhorar a proporção entre importações e exportações, suavizando a exposição ao câmbio.

“Tivemos muito progresso e claramente houve uma melhora da situação. Mas ainda temos que dar mais passos e continuar trabalhando duro”, disse a chefe da Mercedes. “Estou muito otimista, mas ainda temos muitos desafios e ainda não terminamos a reestruturação”, acrescentou.

O objetivo da Daimler Truck é, até 2025, ser uma empresa automotiva onde a margem de rentabilidade é medida com dois dígitos. A restauração dos resultados financeiros no mercado de caminhões, tanto brasileiro o quanto o europeu, está no núcleo dessa meta.

Para a direção da Mercedes no Brasil, o mercado de caminhões permanecerá em alta em 2022, mesmo que o aumento da taxa de juros possa prorrogar decisões de ampliação de frota das transportadoras.

Vendas de caminhões poderão chegar a 140 mil unidades

Se as estimativas da Mercedes-Benz se confirmarem, as vendas de caminhões no mercado brasileiro, somando todas as marcas, chegarão a 140 mil unidades, com alta de 10% sobre o ano passado. Isso tem como base as encomendas do agronegócio, considerando a necessidade de transportar a safra recorde de grãos, e a demanda do mercado eletrônico, da mineração e da construção civil. As duas montadoras da Mercedes no país, em São Bernardo do Campo (SP) e em Juiz de Fora (MG), estão operando em três turnos de produção.

O vice-presidente de vendas e marketing do mercado de caminhões e ônibus da Mercedes-Benz no Brasil, Roberto Leoncini, considerou, no entanto, que esse crescimento dependerá da disponibilidade de peças na linha de produção. “Precisamos que a logística global funcione e nos ajude”, comentou ele, prevendo outro ano de crise no abastecimento de componentes eletrônicos, empecilho responsável pela parada de montadoras no mundo.

Neste ano, a Mercedes finaliza o projeto de investimentos de R$ 2,4 bilhões iniciado em 2018, e o novo presidente da empresa no Brasil, Achim Puchert, revelou que a montadora irá aguardar os resultados dos investimentos realizados antes de começar um novo ciclo.

Perante o plano da Daimler de diminuir em 15% os investimentos mundiais em relação a antes da pandemia, visando uma alocação inteligente de capital, com foco em mercados e setores mais lucrativos, ele antecipou que a definição de novos investimentos estará vinculada à disputa e sustentabilidade da operação brasileira frente a outros mercados.

“Se vamos investir, os investimentos precisam ser competitivos se comparados a outras possibilidades”, disse Puchert, que, assim como destacou na entrevista, assumiu a liderança da Mercedes no Brasil com a meta de equilibrar ganhos de participação de mercado com sustentabilidade financeira.

Publicidade




Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos