Furnas construirá as próprias usinas solares para sustento elétrico

Furnas anunciou nesta segunda-feira, 1 de julho, a construção de suas primeiras usinas solares para sustento elétrico.

Serão três usinas fotovoltaicas de potencial nominal de 1MW cada, que serão construídas em áreas próxima à UHE Anta, no rio Paraíba do Sul, divisa entre Minas Gerais e Rio de Janeiro, para o consumo próprio de Furnas. A empresa informa que o objetivo do projeto é reduzir em aproximadamente 40% os gastos anuais com energia elétrica no escritório central da companhia, no Bairro de Botafogo, Zona Sul do Rio de Janeiro, no qual se concentra o maior consumo de energia entre todas as operações da companhia.

As usinas de energia solar custará um investimento de R$ 11,160 milhões a companhia, e seu início da geração comercial está previsto para o primeiro trimestre de 2020.

Segundo Rodrigo Calixto, superintendente de empreendimentos de geração de Furnas, o plano da empresa é bem ousado, o objetivo é ampliar o projeto de geração de energia solar para atender a outras áreas de Furnas. “Já temos um projeto para uma segunda planta no interior do Rio de Janeiro, em uma área de atuação da Enel. Depois a ideia é expandir a geração fotovoltaica para Minas Gerais, São Paulo e demais áreas onde atuamos. Queremos zerar a conta de luz nas unidades de Furnas”, explica o executivo.

Apesar de a área de abrangência de Furnas ser grande, o executivo garante que há dinheiro em caixa para tirar os projetos do papel. Isso porque, segundo ele, o investimento em cada unidade fotovoltaica não é tão elevado.

O executivo explica a razão de Furnas ter decidido agora se aproximar da geração fotovoltaica. Segundo ele, essa foi uma forma de ganhar experiência em uma modalidade onde a companhia ainda não atua. “Historicamente, atuamos com hidrelétricas e já tivemos experiência em eólicas. Agora, o futuro sinaliza que boa parte da expansão do setor elétrico vai ser por meio da energia solar. Os planos decenais indicam essa tendência e os leilões têm registrado um grande número de projetos inscritos de energia fotovoltaica”, informa.

No entanto, o executivo pondera que a energia fotovoltaica não está na base do negócio, mas se posiciona como uma fonte complementar.
Consórsio responsável

A obra desse primeiro projeto será executada pelo consórcio Kyo-Green, do qual fazem parte a Kyoservice e a Solergy. A licitação foi vencida com um deságio de cerca de 20% em relação ao valor orçado. Esse projeto foi a primeira concorrência de Furnas segundo o modelo de contratação integrada, prevista na Lei nº13.303/2016.

Segundo o texto, o consórcio vencedor será responsável pela execução completa, desde a fase de projeto básico até o término da obra e início da operação comercial.

Furnas é uma empresa de economia mista federal, tem capital fechado e seu controle está nas mãos da Eletrobras. Sua atuação se divide entre geração, transmissão e comercialização de energia elétrica. Hoje, a companhia atua em 16 estados e no Distrito Federal. Seu sistema é composto por 21 usinas hidrelétricas e duas termelétricas — próprias e em parceria com outras empresas. Ao todo, sua operação conta com cerca de 29 mil quilômetros de linhas de transmissão e 75 subestações

Petrobras retomará investimentos em 2021.”Em dois anos, a Petrobras vai se transformar numa empresa completamente diferente da que é atualmente”, disse o presidente da estatal, Roberto Castello Branco.

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e experiente na indústria de construção naval. Se você têm uma sugestão de pauta, gostaria de postar vagas de empregos ou anunciar conosco, mandem um e-mail para [email protected] OBS: Não contratamos, então não envie currículos! Informações sobre empregabilidade apenas no site.