Funcionários noruegueses da gigante do petróleo Schlumberger ameaçam entrar em greve, se as condições de trabalho e salário não melhorarem

Roberta Souza
por
-
28-11-2020 09:52:09
em Petróleo, Óleo e Gás
schlumberger, petróleo Foto: reprodução

Trabalhadores da multinacional do petróleo Schlumberger da Noruega, planejam greve a partir de dezembro, reivindicando melhores salários e condições de trabalho

Cerca de 262 trabalhadores do serviço de petróleo da entidade norueguesa da Schlumberger planejam entrar em greve a partir de 3 de dezembro se as negociações com os empregadores sobre salários e condições de trabalho falharem. De acordo com o sindicato norueguês Safe, as negociações abrangem drillers, equipes de serviço de poços, mergulhadores e outros trabalhadores das subcontratadas da indústria de petróleo Baker Hughes, Vetco Gray, Weatherford, Oceaneering, Schlumberger e Subsea 7.

Veja ainda:

A Reuters disse em um artigo que, se uma greve estourar em 3 de dezembro, ela pode se intensificar nas semanas seguintes para abranger os trabalhadores de outras empresas.

Uma greve da Schlumberger na Noruega – ou em todas as outras empresas listadas – não afetaria a produção em andamento de petróleo e gás, mas interromperia outras funções, como a perfuração de novos poços. Entre os campos que sofreram impacto estavam Gullfaks, Statfjord e Valhall, bem como várias sondas móveis de perfuração offshore.

No total, cerca de 700 trabalhadores estão cobertos pelo acordo coletivo de trabalho entre a Safe e a Norwegian Oil and Gas Association (NOGA). Os principais trabalhadores da produção do setor, que são empregados diretamente por empresas de petróleo e, portanto, não fazem parte das negociações mais recentes, acertaram suas demandas salariais no mês passado após uma greve de 10 dias que cortou a produção e abalou os mercados de energia.

Um sindicato maior, Industri Energi , disse em outubro que havia concordado com um acordo salarial para cerca de 6.500 trabalhadores do setor de petróleo e que não entraria em greve.

De acordo com a Reuters, a Safe disse que os direitos de alguns de seus membros foram corroídos e teme que isso possa se espalhar, com a consequência potencial de que os salários em certos casos possam ser reduzidos em até 47%.

Separadamente, na quinta-feira, a escalada planejada de uma greve de seguranças pode fechar um quarto das exportações de gás da Noruega para a Europa nos próximos dias, disse a operadora de sistemas de gás Gassco.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos