Consumidores devem se beneficiar com a privatização da Eletrobras, diz especialista


Com a privatização da Eletrobras nós consumidores podemos ser beneficiados, afirma o senhor Wilson Ferreira Júnior, presidente da  Eletrobras.

O senhor Wilson ferreira Júnior  disse essa semana (12),  que o valor de capitalização da Eletrobras, com o processo de privatização seria  um número justo, num processo transparente para a sociedade Brasileira, podendo  não haver ganhos nem perdas no início mas,  uma possível  redução tarifária no final.   A Privatização da companhia gera expectativa de R$ 16,2 bilhões ao Governo.


A estimativa é que a aprovação do Projeto de Lei 5.877/2019, que trata da privatização da Eletrobras, encaminhado pelo governo ao Congresso no último dia 5, ocorra no primeiro semestre de 2020. Com a desestatização no segundo semestre, dando origem à criação de uma nova estatal privada, para gerir a Eletronuclear e a Usina de Itaipu Binacional, mais um conjunto de programas integrado pelo Luz para Todos, Programa Nacional de Conservação de Energia Elétrica (Procel) e o Programa de Incentivo às Fontes Alternativas de Energia Elétrica (Proinfa).

Com a desestatização será permitido  a Eletrobras sair do regime de cotas e passar para produção independente, ganhando com isso maior liberdade de buscar mercado livre, em condições melhores de vender energia, pagando pelo risco hidrológico. “Essa saída do regime de cotas é boa para os consumidores”, avaliou o presidente da Eletrobras.

A empresa  investiu em 2019 a quantia de R$ 1,75 bilhão, para uma meta de R$ 4 bilhões. “Ela não consegue investir R$ 14 bilhões. Ela precisa ser capitalizada. Essa é a principal razão da capitalização”. A expectativa é que até o final do ano, a estatal invista mais R$ 750 milhões, o que totalizaria R$ 2,5 bilhões investidos no ano. Para 2020, a projeção é que os investimentos fiquem entre R$ 3 bilhões e R$ 4 bilhões.


Wilson Ferreira Júnior informou que existe um conjunto de propostas que vão ser apresentadas ao Conselho de Administração da Eletrobras para definir qual é o plano de alavancagem da companhia. O plano em vigor prevê investimentos em cinco anos de R$ 19 bilhões em geração e transmissão, o que dá uma média de R$ 3,6 bilhões por ano e que no próximo dia 14 de novembro, a 175ª Assembleia Geral Extraordinária (AGE) da companhia vai deliberar aumento de capital, com subscrição prevista no período de 18 de novembro a 17 de dezembro deste ano. O montante projetado vai do mínimo de R$ 4,054 bilhões até o máximo de R$ 9,987 bilhões.

Veja também