Agronegócio ficará com pouco menos de 17% do novo crédito anunciado pelos bancos públicos contra crise do coronavírus


agronegócio, coronavírus

Apenas 17% do socorro de bancos públicos será destinado ao Agronegócio como medida contra crise do coronavírus

O Agronegócio, responsável durante anos pelo bom resultado no PIB, saldo positivo no comércio exterior e giro da economia brasileira ficará com pouco menos de 17% do novo crédito anunciado pelos bancos públicos como medida de socorro contra a pandemia do coronavírus.

Veja ainda:

O socorro total, em bilhões, serão distribuídos entre os seguinte setores:

Empresas – R$ 88 bilhões;

Compra de carteira de bancos pequenos e médios – R$ 30 bilhões;

Pessoas Físicas – R$ 24 bilhões;

Hospitais, estados e municípios – R$ 6 bilhões;

Agronegócio – R$ 30 bilhões;

As negociações para conceder o capital devem ser focadas em ampliação do crédito para capital de giro, adiamento de parcelas de dívidas e alongamento de prazos dos débitos. Dos R$ 30 bilhões liberados para o agronegócios, R$ 25 bilhões vêm do Banco do Brasil e R$ 5 bilhões da Caixa Econômica Federal.

A diferença do valor concedido entre os dois bancos não virará uma disputa de mercado. A Caixa não considera futura ampliação dessas linhas de crédito e o foco do valor concedido, será para micro e pequenas empresas.

O agronegócio tem acesso a linhas de créditos com particularidades diferentes, comparado aos outros setores, como condições e prazos (vinculados às safras). Contudo, não há impedimento de que capte em condições normais.

De acordo com o CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil), o agronegócios é responsável por 21% do PIB brasileiro e pelo ancoramento da balança comercial brasileira no azul. Anualmente, registra saldo positivo que segura o déficit de todos os outros setores.

Em 2019, R$ 97 bilhões foi o saldo das exportações brasileiras do setor, produtos destinados principalmente para a China, União Europeia e Estados Unidos (fortemente atingidos pelo Coronavírus).

Faça o Curso de Inglês Autodidata

A economia brasileira está mais próximo do que nunca de empresas globais. A necessidade de funcionários  que tenham no minimo inglês intermediário cresce mas os empregadores têm dificuldades de encontrar candidatos que têm noções do idioma. O curso A Jornada do Inglês Autodidata vem sanando este problema de muitos alunos, com um método fácil e inovador. Assistam aqui os depoimentos reais de estudantes que adquiram o curso e depois façam suas matrículas também.


Roberta Santiago

Sobre Roberta Santiago

Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos