Início A Petrobras é realmente culpada pela alta no preço dos combustíveis? Pesquisa da IPESPE ouviu pessoas que já deram seu veredicto

A Petrobras é realmente culpada pela alta no preço dos combustíveis? Pesquisa da IPESPE ouviu pessoas que já deram seu veredicto

23 de maio de 2022 às 17:34
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Petrobras pesquisa de opinião Combustíveis IPESPE
Petrobras é apontada como maior responsável pelo aumento nos combustíveis, segundo responderam eleitores ao IPESPE | Foto: Canva Pro

Levantamento feito pela IPESPE sobre preferências eleitorais avaliou também a opinião de eleitores sobre a responsabilidade no aumento dos combustíveis

Na última sexta-feira (20), o Instituto de Pesquisas Sociais, Políticas e Econômicas (IPESPE) divulgou um relatório sobre o último levantamento realizado acerca das intenções de voto em 2022 e também sobre a responsabilidade no aumento dos combustíveis. Surpreendentemente, a maioria dos entrevistados considerou a Petrobras como maior responsável.

Os entrevistados foram questionados e deveriam atribuir muito, pouca ou nenhuma responsabilidade ao aumento dos preços de combustíveis em relação a Petrobras, ao presidente Jair Bolsonaro do governo federal, governadores de estados, a guerra que acontece na Ucrânia, governos anteriores de Dilma e Lula e Supremo Tribunal Federal (STF). A pesquisa, registrada na Justiça Eleitoral com o número BR-08011/2022, foi realizada com uma amostra aleatória de 1.000 pessoas, ouvidas por telefone entre os dias 16 e 18 de maio.

Artigos recomendados

Saiba qual o impacto do novo reajuste do preço dos combustíveis para o Brasil no vídeo abaixo

Especialista explica que diversos fatores contribuem para o aumento dos preços e que isso impacta a economia nacional | Reprodução: Youtube – Band Jornalismo

Além da Petrobras, os participantes consideraram outros responsáveis pela alta dos combustíveis como Bolsonaro, Lula e Dilma, Guerra na Ucrânia e Governadores dos Estados

Os dados coletados pela pesquisa IPESPE apontam que 64% dos participantes consideraram a Petrobras como muito responsável pelo aumento no preço dos combustíveis, enquanto a taxa de Jair Bolsonaro foi de 45% e a da Guerra da Ucrânia, de 40%, conforme o gráfico abaixo, obtido da CNN Brasil. Outros 24% também consideraram a Petrobras com menor responsabilidade. Apenas 7% consideraram nenhuma responsabilidade da estatal.

Petrobras combustíveis IPESPE pesquisa de opinião
Maioria dos eleitores acha que o principal responsável pela alta no preço dos combustíveis é a Petrobras | Foto: CNN Brasil

Uma boa parcela dos participantes também atribuiu grande responsabilidade aos governadores de estado, com um percentual de 40%, aos governos anteriores de Lula e Dilma, com 37% e ao Supremo Tribunal Federal (STF), com 32%, conforme aponta o gráfico abaixo. Note que 31% também consideraram os governadores um pouco responsáveis pelo aumento dos combustíveis e 23% os governos anteriores.

Infográfico sobre a pesquisa da IPESPE sobre a responsabilidade pela alta dos combustíveis 2
Outros eleitores também consideram a alta dos combustíveis culpa dos governadores dos estados, de governos anteriores e do STF | Foto: CNN Brasil

A pesquisa foi realizada com critérios estatísticos rigorosos e possui um intervalo e confiança de 95%, segundo os cálculos, além de uma margem de erro de 3,2 pontos. Isso quer dizer que se 100 pesquisas desse mesmo tipo fossem realizadas em diferentes amostras aleatórias no Brasil, pelo menos 95 delas teriam um resultado muito similar aos achados desta, dentro da margem de erro.

Reajustes no preço dos combustíveis teve altas consecutivas em 2022 e em 2021

O começo de 2022 foi marcado por altas consecutivas no preço dos combustíveis, anunciados pela Petrobras. O primeiro reajuste aconteceu em 12 de janeiro, quando a gasolina subiu 4,9% e o diesel 8,1%. Em março de 2022, após 2 meses segurando os preços, a companhia anunciou um aumento de 18,8% no preço da gasolina e de 24,9% para o óleo diesel.

Na segunda semana de maio, veio outro reajuste divulgado com taxas de 2,48% no preço da gasolina, 8,44% no etanol, 4,74% no óleo diesel e 0,24% no gás veicular, segundo dados do IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) do IBGE. Contabilizando a partir de março de 2021, a Petrobras já fez 14 reajustes no valor da gasolina e 12 no valor do diesel.

Todavia, muitos fatores podem estar envolvidos nessa alta dos preços, inclusive o conflito entre Ucrânia e Rússia que abalou todo o cenário de combustíveis mundial, elevando os preços até mesmo nos Estados Unidos. Como sabemos, a Rússia é uma grande produtora e exportadora de petróleo e seus derivados e os embargos econômicos sofridos por ela podem respingar em todos os outros países.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes