Início Preço da gasolina dispara 25,48% no primeiro semestre; o combustível completou 13 meses de elevação consecutiva e compensa substituir por etanol

Preço da gasolina dispara 25,48% no primeiro semestre; o combustível completou 13 meses de elevação consecutiva e compensa substituir por etanol

9 de julho de 2021 às 11:49
Compartilhe
Siga-nos no Google News
gasolina - preço - etanol - diesel - gnv - gás de cozinha
Frentista em posto de gasolina Petrobras

Com alta de 1,41% em junho, preço da gasolina completou 13 meses de elevação consecutiva e abastacer com etanol se torna vantajoso no Mato Grosso

Ficou pronto o levantamento do preço de combustível da ValeCard, referente ao mês de junho, que registrou alta da gasolina de 1,41%, com o litro vendido a R$ 5,915 em média. No acumulado do primeiro semestre, o aumento é de 25,48% no Brasil. Apenas em Mato Grosso compensa substituir por etanol.

Leia também

O preço médio da gasolina registrou variação positiva pelo 13º mês seguido. Em junho, o valor subiu 1,41% nos postos de combustíveis do País – em média, o litro foi vendido a R$ 5,915 (no mês anterior, o preço médio foi de R$ 5,832).

Nos primeiros seis meses de 2021, o preço da gasolina subiu 25,48% no Brasil – em dezembro de 2020, o valor médio era de R$ 4,714. As informações constam em levantamento exclusivo feito pela ValeCard, empresa especializada em soluções de gestão de frotas.

Trabalhe no Setor Eólico do Brasil

Obtidos por meio do registro das transações realizadas entre os dias 1º e 29 de junho com o cartão de abastecimento da ValeCard em cerca de 25 mil estabelecimentos credenciados, os dados mostram que as maiores altas foram registradas em Pernambuco (3,83%) e no Maranhão (3,81%). Nenhum Estado registrou queda no preço do combustível.

Confira abaixo a tabela com o preço médio da gasolina por estado

As capitais do Rio de Janeiro (R$ 6,341) e do Acre (R$ 6,331) foram as que apresentaram maiores preços médios em junho. Já Manaus (R$ 5,301) e Curitiba (R$ 5,381) registraram os menores valores.

Fonte: ValeCard

Etanol segue vantajoso no Mato Grosso

Rio Grande do Sul (R$ 5,722) e Rondônia (R$ 5,694) registraram os maiores preços médios do etanol em junho. Conforme o levantamento, a exemplo do que aconteceu em maio, apenas em Mato Grosso compensa abastecer o veículo com etanol – a opção só é vantajosa quando o litro do derivado da cana-de-açúcar custar 70% (ou menos) do que o litro da gasolina

Fonte: ValeCard

Preços do diesel, gasolina e GLP disparam novamente atingindo caminhoneiros e milhões de brasileiros que padecem em consequência dos aumentos desproporcionais em relação à renda atual

Preços da gasolina, diesel e do gás de cozinha nas alturas não impediram a Petrobras de aumentar ainda mais os combustíveis no dia 06 de julho, que iniciou com um soco no bolso dos caminhoneiros e milhões de brasileiros que padecem em consequência dos aumentos desproporcionais em relação à renda atual. O novo aumento que passou a valer a partir de ontem pegou de surpresa a direção do Conselho Nacional do Transporte de Cargas – CNTRC, haja visto que houve uma reunião “positiva” da entidade realizada há apenas uma semana com o presidente da Petrobras.

Em uma reunião realizada há apenas uma semana com o presidente da Petrobrás, Gen. Silva e Luna, o conselho recebeu a informação de que sua proposta de política de preços estava em análise pela companhia.

A proposta de política de preços apresentada pelo CNTRC tem como base a substituição do Preço de Paridade de Importação (PPI) pelo Preço de Paridade de Exportação (PPE), bem como a taxação das exportações de petróleo bruto, cujas receitas seriam utilizadas para compensar estados e União para efetivarem reduções de impostos nos combustíveis.

Para os dirigentes do CNTRC, é inadmissível que a direção da Petrobras atenda a pressões de organismos como a Associação Brasileira de Importadores de Combustiveis – ABICOM. A entidade alega que “de brasileira não tem nada, pois atende aos interesses de empresas estrangeiras e do mercado de capitais, como a Ativa Investimentos”.

Conselho Nacional do Transporte de Cargas envia ofício ao presidente da Petrobras pedindo a revogação dos aumentos

Ontem mesmo, o CNTRC enviou ofício ao presidente da Petrobras pedindo a revogação dos aumentos (confira o arquivo neste link). Além do ofício, o Conselho Nacional do Transporte de Cargas emitiu uma nota para a imprensa esclarecendo sua posição, que está disponível neste link.

Relacionados
Mais recentes