Postos com preços abusivos após disparada do petróleo serão penalizados

disparada do petróleo Petrobras

Postos de combustíveis que adotarem práticas abusivas de preço na esteira da crise do petróleo podem ser penalizados, afirmou a ANP em nota.

Nesta terça-feira, 17 de setembro, a  Agência Nacional do Petróleo, Gás e Biocombustíveis – ANP,  iniciou a fiscalização em postos de combustíveis para investigar práticas abusivas de preços a partir das notícias de disparada das cotações internacionais do petróleo.  O bombardeio da refinaria na Arábia Saudita e as consequências para o Brasil

“Não tem motivo para aumento de preços, já que a Petrobras não promoveu reajustes. E, mesmo que tivesse promovido, tem os estoques na cadeia e o repasse demoraria a chegar”, afirmou o diretor-geral da ANP, Décio Oddone

Segundo Décio Oddone, os preços dos combustíveis são livres no país -nem governo nem a ANP têm ingerência legal sobre a definição dos valores- mas o executivo, diz que a fiscalização é motivada por notícias na imprensa a respeito de aumentos abusivos.

Os Procons pelo país foram mobilizados pela ANP para ajudar na fiscalização. Procons estaduais poderão multar os postos que aderirem a prática de preços abusivos.

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica – Cade pode ser acionado para investigar suspeitas de conluio na definição dos valores,  no caso de formação de cartel -quando postos em uma mesma região elevam os preços simultaneamente.

Petrobras afirmou por meio de nota, nesta segunda, 16, depois de alta de 13% nas cotações internacionais, que vai esperar o mercado se acalmar antes de decidir por reajustes, para não repassar ao consumidor a volatilidade gerada por ataques em instalações petrolíferas na Arábia Saudita.

Nesta terça, o Brent caiu 6,5%, reagindo a entrevista em que o governo saudita diz que a recuperação da produção será rápida. A expectativa do mercado é que a volatilidade permaneça pelos próximos dias. “O que vai continuar é uma percepção e risco maior no setor”, reforçou Oddone.

O Brasil tem 164 distribuidoras e cerca de 41.000 postos de combustíveis, que têm liberdade para definir os seus preços de venda. O valor cobrado pela Petrobras representa cerca de 30% do preço final da gasolina. No caso do diesel, a fatia da estatal equivale a metade do preço final.

Em nota, a ANP disse “estar atenta aos preços dos combustíveis praticados no Brasil”. “Diante de denúncias de preços abusivos, a ANP faz ações de campo para confirmar essas suspeitas. Quando constata a prática de preços abusivos, a agência atua em conjunto com os Procons para penalizar os infratores.”

Na semana passada, o litro da gasolina custava, em média nos postos brasileiros, R$ 4,310. Já o diesel era vendido, em média, a R$ 3,562 por litro. A ANP recebe denúncias por meio de seu Centro de Relações com o Consumidor, pelo telefone 0800-970-0267.

Rio entra em colapso, se a lei que altera a distribuição de royalties do petróleo for aprovada em novembro.

Flavia Marinho

About Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e experiente na indústria de construção naval. OBS: Não contratamos, então não envie currículos! Informações sobre empregabilidade apenas no site.