Portos privados brasileiros cobram atenção do governo em 2019

Porto, guindaste, contêiner
 

Um setor claramente em deficiência almeja por melhorias a anos, e os governantes nada falam sobre uma modernização

O setor logístico e portuário ainda tem muitos desafios e obstáculos sem solução aparente para o próximo governo. Este ainda é um tema ainda pouco presente nos discursos dos presidenciáveis, e frente este cenário a Associação de Terminais Portuários Privados (ATP) elaborou um manifesto com uma série de medidas estruturantes, aguardadas pelo setor portuário privado e que irão garantir bem mais investimentos e colaborações para a recuperação do crescimento nacional.

Responsável por 67% da movimentação de cargas, os TUPs (Terminais de Uso Privado) utilizam 100% de capital privado e suporta todos os riscos pertinentes ao mercado para atuar na prestação de serviços, relativos as movimentações das produções de soja, milho, combustíveis, minério e de contêineres. De acordo com Murillo Barbosa, diretor-presidente da ATP, só nos cinco últimos anos os TUP investiram mais de R$21 bilhões na modernização e melhorias nas operações de 78 terminais em todo Brasil.

Ainda de acordo com Barbosa, na contra mão desse processo o setor sofre com a insuficiência da matriz logística, tendo como reflexo no alto custo do transporte da produção predominantemente rodoviário abalando a dinâmica econômica e a variação do custo em nosso país. De um lado temos empresas privadas que investem seu capital, mesmo com os riscos, para continuar a prestar serviços no Brasil com eficiência e modernização, já de outro uma oferta precária de infraestrutura, comprometendo toda a lógica de distribuição do produto brasileiro prejudicando um progresso Brasileiro.

Esta iniciativa reforça a necessidade de mudanças e da implementação do Plano Nacional Logístico, (PNL) sugerindo priorizações na infraestrutura dos portos. O manifesto incentiva também o modelo de logística de transporte integrado com origens e destinos, que liguem áreas de produção e polos industriais aos portos, com o uso do sistema multimodal caso haja a necessidade de utilização, principalmente de ferrovias, hidrovias e a navegação de cabotagem.

O setor destaca ainda, a necessidade de desburocratizar os procedimentos para viabilização do projeto. Hoje entre a consagração do termo final de dispensa de operações levam de 8 a 9 anos, o que pode significar prejuízo para a competitividade do produto nacional, embora algumas melhorias tenham sidas proporcionadas em 2013 pela lei da Modernização dos portos, junto também com o decreto de 2017.

Chega ao fim os testes de longa duração do campo de Mero

The following two tabs change content below.
Sheila Soares

Sheila Soares

Formada em Técnico de Logística, com experiência em operações logísticas, técnica de materiais e com amplo conhecimento no mercado petrolífero, industrial e engenharia.