Mitsubishi fecha parceria com Eneos para produzir combustível renovável a base de óleo de cozinha usado para aviões

Valdemar Medeiros
por
-
21-04-2022 11:04:23
em Biocombustível, Energia Renovável
Mitsubishi - Eneos - combustível - combustível renovável - óleo-de-cozinha-usado Pieter Elbers, CEO da KLM, entre o funcionário da Shell Roland Spelt (à direita) e Jeroen Kok, capitão do primeiro voo de passageiros da companhia a usar combustível de aviação sustentável | Foto de divulgação/KLM




As empresas estabelecerão, em 2027, uma cadeia de suprimentos doméstica que lida com tudo, desde a aquisição de matérias-primas até a fabricação e distribuição, mas o foco inicial da parceria é acelerar a produção de um combustível renovável para aviões.

A Mitsubishi e a Eneos Holdings anunciaram na segunda-feira (18) conjuntamente que produzirão combustível renovável para o mercado de aviação (SAF), que reduz significativamente as emissões de dióxido de carbono das aeronaves. As empresas estabelecerão, em 2027, uma cadeia de suprimentos doméstica que lida com tudo, desde a aquisição de matérias-primas até a fabricação e distribuição. O anúncio confirma o relatório anterior divulgado pela Nikkei sobre o assunto.

Eneos e Mitsubishi se unem para descarbonizar o mercado de aviação com o uso de combustível renovável

Com os regulamentos de descarbonização da aviação se tornando mais rigorosos em todo o mundo e a concorrência pelo SAF aumentando, as duas empresas pretendem reduzir sua dependência das importações estabelecendo seu próprio sistema de produção em massa.

O SAF é derivado da biomassa, como óleo de cozinha usado e plantas. É misturado com combustível de aviação derivado do petróleo bruto. Com ele, as emissões de dióxido de carbono das aeronaves podem ser reduzidas de 70% a 90% em relação ao combustível convencional. 

Em todo o mundo, em 2020, foram usados ​​63 milhões de litros de SAF, menos de 1% da quantidade total de combustível de aviação usado. Estima-se que a introdução de regulamentos de combustível exigirá cerca de 13 bilhões de litros de SAF somente no Japão, nos EUA e na Europa até 2030.

O governo japonês estabeleceu a meta de substituir 10% do combustível de aviação usado anualmente (cerca de 1,3 bilhão de litros) por SAF até 2030. O plano é construir uma instalação para receber SAF no Aeroporto Internacional de Chubu no outono de 2022. All Nippon Airways (ANA) e Japan Airlines (JAL) introduziram parcialmente o SAF, mas ainda dependem de importações.

Mitsubishi e a Eneos concordaram em criar uma cadeia de suprimentos doméstica

Com o objetivo do governo em mente, a Mitsubishi e a Eneos concordaram em criar uma cadeia de suprimentos doméstica para venda em larga escala do combustível renovável. A Mitsubishi cuidará da aquisição de matérias-primas e distribuição. Além de suas próprias redes de grãos e produtos químicos, a empresa também considerará incorporar as redes de compras de empresas do grupo, como Mitsubishi Foods e Lawson. 

A Eneos usará algumas de suas refinarias para produção. O volume de produção ainda não foi determinado, mas a expectativa é de centenas de milhares de toneladas por ano. A parceria será a base da meta do governo para 2030. O SAF será fornecido às companhias aéreas que chegam e partem de aeroportos no Japão. Detalhes específicos da parceria, como se uma nova empresa será estabelecida, serão decididos posteriormente.

O custo de produção do SAF depende das matérias-primas utilizadas, mas é em média de 1.000 ienes a 2.000 ienes (US$ 8 a US$ 16) por litro, até 10 vezes maior do que o combustível de aviação comum. Na importação, a logística e outros custos também são levados em consideração. As emissões de dióxido de carbono do transporte do combustível também são um problema. As duas empresas estabelecerão um sistema doméstico de produção em massa para SAF para reduzir significativamente os custos e diminuir os obstáculos ao uso generalizado.

Organização decide que as companhias aéreas não devem aumentar suas emissões de dióxido

A Organização da Aviação Civil Internacional, que conta com 191 países e regiões como membros, em 2021 decidiu que as companhias aéreas não deveriam aumentar suas emissões de dióxido de carbono acima dos níveis de 2019. 

Ela planeja tornar a restrição obrigatória em 2027. Se a ICAO aplicar a regra, os aviões que não tomaram medidas para reduzir as emissões de dióxido de carbono podem ter que deixar o serviço. Considerando essa regra internacional, a Mitsubishi e a Eneos pretendem iniciar a produção em massa até 2027. A Europa e os EUA atualmente lideram na produção de SAF

A finlandesa Neste já comercializou seu produto e conta com a ANA e a Delta Air Lines entre seus clientes. A Fulcrum Bioenergy nos EUA iniciou a produção no ano fiscal de 2021 em parceria com a JAL. A Lanzajet, empresa norte-americana, recebeu investimentos da Microsoft, Shell e outras e iniciará a produção no estado da Geórgia em 2023.

No Japão, JGC Holdings, Cosmo Oil e outros planejam construir uma planta comercial em 2025. A empresa de Tóquio Euglena também está avançando com testes de produção de SAF usando euglena, um tipo de flagelado de água doce e outras matérias-primas. As empresas japonesas ficam atrás de seus concorrentes europeus e norte-americanos em termos de tecnologia de produção e custo, e ainda não pavimentaram o caminho para a produção em massa.

A Mitsubishi e a Eneos também trabalharão com outras empresas participantes da produção de SAF, com o objetivo de reduzir a competitividade de custos aos níveis da Europa e os EUA A Eneos iniciará um estudo de viabilidade com a Total Energies da França sobre a produção de SAF.  

Sites Parceiros

Publicidade




Tags:
Valdemar Medeiros
Especialista em marketing de conteúdo, ações de SEO e E-mail marketing. E nas horas vagas Universitário de Publicidade e Propaganda.