GranBio, do Brasil, adquire negócios de energia de biomassa nos EUA

Grabio Brasil Biomassa Alagoas
 

GranBio é a operadora da primeira usina de etanol celulósico em escala comercial no Hemisfério Sul e está localizada em Alagoas

A empresa brasileira de biotecnologia industrial, a GranBio, anunciou na sexta-feira a contratação de algumas biorrefinarias nos EUA, além de um centro de pesquisa e desenvolvimento (P & D) e outros ativos. Mais especificamente, a GranBio concluiu a aquisição da American Process Inc e de algumas empresas afiliadas, como a AVAPCO LLC e a API Intellectual Properties Holdings, por uma quantia não revelada.

A transação cobre a Alpena Biorefinery em Michigan, a Thomaston Biorefinery e o centro de P & D na Geórgia, bem como a equipe de operações, pesquisa e desenvolvimento de negócios. Além disso, a GranBio adquiriu o portfólio de propriedade intelectual (PI) nos campos de biorrefinaria, biocombustíveis, bioquímicos e nanocelulose, com mais de 200 patentes concedidas e pendentes.

A GranBio é a operadora da primeira usina de etanol celulósico em escala comercial no Hemisfério Sul, conhecida como Bioflex 1. A planta está localizada em Alagoas, Brasil, e converte biomassa de resíduo de cana-de-açúcar, palha e bagaço

Sobre Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, já atuei em empresas do ramo de energia, óleo e gás em operações de completação, perfuração e produção em empresas em parceria com grandes empresas multinacionais do setor.