Finalmente a Shell foi liberada e vai usar portos do Rio e Niterói em suas operações

Finalmente a Shell foi liberada e vai usar portos do Rio e Niterói em suas operações

julho 5, 2018 Off Por Paulo Nogueira

As campanhas de aquisições de dados sísmicos foram autorizadas para Shell em Gato do Mato que será iniciada em 2019

A Shell adquiriu blocos no Gato do Mato e o Gato do Mato Sul na segunda rodada dos leilões do petróleo em outubro de 2017, mas só agora ela foi autorizada a licenciar estes ativos, com dizem por ai, “antes tarde do que nunca”. Lembrando que estas aquisições da anglo-holandesa estão em forma de consórcio junto com a petroleira Total, no pré-sal da Bacia de Santos. De modo bem maroto, a Shell e outras multinacionais, vem ganhando espaço na exploração nacional.

De acordo com a Shell, as aquisições de dados sísmicos estão previstas para iniciarem em julho de 2019. A extensão territorial que será coberta para aquisição dos dados, esta dentro de um perímetro de 9.400 km² que no fim das contas, vai acabar pegando a área de Maromba também,  o que pode ser um benefício indireto e potencial para a petroleira.

Para realizar este tipo de operação, será necessário um planejamento logístico multilateral das empresas envolvidas, mas a boa notícia é que as bases portuárias do Rio de Janeiro, Niterói e Jacarepaguá serão usadas nas operações da Shell e da empresa de aquisição os dados, o que proverá com toda a certeza mais oportunidades futuras em todas as instancias deste setor.

Entenda como funcionam os Navios Sísmicos

São embarcações que usam cabos e sensores com vários metros de extensão e que são arrastados no mar. Estes sistemas emitem “explosões de sons” em direção ao fundo do oceano, que deflete novamente em forma de imagens 3D, similar à um sonar. Há equipamentos mais avançados que agora podem emitir sinas que podem ser visualizados em 4D, provendo informações de perfilagens mais completas e dados mais precisos.

Sismic Ship

Como funciona o sistema de aquisição de dados sísmicos offshore