Início Após reforma no cais 3, Porto de Imbituba conseguirá receber navios de grande porte em seu terminal

Após reforma no cais 3, Porto de Imbituba conseguirá receber navios de grande porte em seu terminal

13 de julho de 2022 às 21:24
Compartilhe
Siga-nos no Google News
O Porto de Imbituba será o mais novo porto a ter potencial para receber navios de maior porte. O terminal portuário construído há mais de 40 anos passará por reformas em seu cais 3 que serão divididas em quatro fases e estão previstas para serem concluídas em 30 meses.
Fonte: SCPAR/Divulgação

O Porto de Imbituba será o mais novo porto a ter potencial para receber navios de maior porte. O terminal portuário fora construído há mais de 40 anos, e agora passará por reformas em seu cais 3 que serão divididas em quatro fases e estão previstas para serem concluídas em 30 meses.

Na última segunda-feira, (11/07), foi anunciado que o Cais 3 do Porto de Imbituba passará por reformas que vão possibilitar que o terminal passe a ter potencial para receber navios de grande porte. O porto é responsável por cerca de 30% da movimentação de cargas na zona de Imbituba, terá uma maximização das suas operações.

Para que o trabalho pudesse ser realizado, foi necessário que o edital fosse relançado

Nesse sentido, o diretor-presidente da SCPAR do Porto, Fábio Riera, salientou que, por o terminal portuário de Imbituba ser de multipropósito, ele consegue operar todos os tipos de carga, apesar de ter sido constatada a predominância de movimentação de granéis no Cais 3, ele não é exclusivo para essa finalidade.

Artigos recomendados

“Em 2021, 51,4% da movimentação atendida nesse berço foi de coque de petróleo (importação e exportação). O ranking dos maiores volumes de cargas movimentadas no local, no último ano, seguiu com desembarques de sal, fertilizantes e milho, além do embarque de minério de ferro e demais produtos”, afirmou Fábio Riera.

A obra deve ser realizada em quatro fases, Riera relatou que deverão ser construídos dois dolfins de atracação/amarração, de forma a possibilitar a continuidade da operação de navios no local durante as primeiras fases da obra. Riera também afirma que as atividades do Cais 3 só serão interrompidas na última etapa da reforma, a expectativa é que a previsão de para seja de até cinco meses. 

Ainda de acordo com Riera, outras reformas contingenciais já estão sendo programadas, como a disposição de um dolfim na ponta do Cais 2, amplificando a área de acostagem dos berços 1 e 2 e, dessa forma, proporcionando uma opção de atracação para os navios que utilizam o Cais 3. Também está avançando o estudo para transformar o costado do Cais 2 em um novo berço.

Conheça um pouco mais sobre a movimentação e quais investimentos serão feitos na reforma do porto

No ano de 2021, o Cais 3 atendeu a cerca de 32,5% do volume de cargas do terminal portuário de Imbituba, representando aproximadamente 2,24 milhões de toneladas de toda a movimentação registrada pelo porto neste período, confirmando a importância do terminal para a região. 

“No Cais 3, atualmente, podemos receber navios com até 205 metros de comprimento (LOA). As embarcações atendidas têm diversas origens e destinos, dependendo das cargas atendidas. Se olharmos para 2021, por exemplo, o coque teve como principal origem e destino os Estados Unidos. Já o sal é importado do Chile e o malte de cevada, milho e trigo foram, sobretudo, desembarques da Argentina e Uruguai”, declarou Riera.

Já sobre a estimativa de investimentos, o diretor-presidente da SCPAR ressaltou que o valor não pode ser divulgado  em função de restrição estabelecida pelo artigo 34 da Lei 13.303/2016 (Lei das Estatais). De acordo com ele, a empresa vencedora terá que realizar restauros superficiais e profundos no concreto.

Além disso, a empresa também deverá colocar o pavimento rígido em parte da retroárea e ainda fazer o reforço estrutural das estacas de sustentação, o que fará alargar o berço em aproximadamente 2,5 metros, além de readequar a drenagem e de construir dois dolfins de atracação/amarração de embarcações. Ele confirma que a obra não será barata, mas que garantirá muita eficiência.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes