Retomada das obras da usina nuclear de Angra 3 irá refletir no bolso do consumidor.

ANGRA 3
 

Estudos feitos pela consultoria PSR sobre Angra 3, analisaram o impacto de diferentes fontes sobre a conta de luz ao longo de 35 anos e chegaram à conclusão que a retomada das obras da usina nuclear de Angra 3 sairá mais cara para o consumidor do que abandonar o projeto

O governo aprofundou nos últimos meses os estudos para a retomada de Angra 3, para que o edital da licitação que vai escolher um parceiro para o empreendimento possa ser lançado no ano que vem. As premissas do edital e o tipo de licitação serão definidos por um grupo de trabalho vinculado ao Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos. O primeiro passo para tornar o empreendimento atrativo aos investidores foi dado no dia 9 de outubro, quando o Conselho Nacional de Política Energética aprovou preço de referência de R$ 480,00/MWh para a energia da usina. A preço de Angra 3 estava na faixa de R$ 240/MWh. O aumento de tarifa da usina nuclear de Angra 3 foi considerado positivo para o crédito da Eletrobras, segundo a agência de risco Moody’s. O governo espera, porém, que o valor possa ser reduzido em uma licitação para definir o parceiro.

Prós e Contras

Finalizar a obra custaria cerca de R$ 17 bilhões, abandoná-la, R$ 12 bilhões —considerando os custos para quitar empréstimos, desmontar a estrutura, ressarcir contratos rompidos e pagar dívidas. Para retomar as obras, que estão paralisadas por alvo da Operação Lava Jato, o projeto precisa de cerca de R$ 15,5 bilhões em investimentos. O TCU (Tribunal de Contas da União)ficou preocupado com os custos e abriu uma auditoria para analisar os critérios de retomada das obras e seus efeitos sobre os custos finais. A previsão é que essa análise seja concluída em março de 2019.

“Essa ação eleva o crédito da Eletrobras porque vai elevar o fluxo de geração de caixa a partir dessa nova usina nuclear, além de dar um incentivo maior à Eletrobras para completar a construção”, diz o relatório da agência. Os defensores do projeto, alega que a diferença tornaria o custo-benefício favorável à conclusão, em contrapartida os custos irão refletir no bolso do consumidor.

O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira Jr, comentou que 63% da usina estão prontos e que a nova tarifa abre a perspectiva de aporte de recursos por um parceiro, que não existia com a tarifa anterior. “Agora, com essa tarifa de R$ 480, você consegue alguém que possa colocar dinheiro e ver perspectiva de retorno do investimento. E, óbvio que, do outro lado, gente disposta a financiar. Não é só capital próprio, não é só equity”, disse o executivo.

“A tarifa mais alta também tem potencial de criar uma solução de longo prazo para os passivos de Angra 3. A Eletronuclear tem negociado com credores como o BNDES, a Caixa Econômica Federal, para adiar o cronograma original de pagamentos das amortizações da dívida, já que a geração de caixa foi adiada”, afirma ainda a Moody’s. A ideia é incluir a usina no programa de concessões do governo federal e buscar parceiros para concluir a obra. A Eletronuclear, estatal responsável pelo setor, já assinou parcerias com empresas da China, da França e da Rússia para estudar o projeto.

Investir ou abandonar?

E agora, abandonar Angra 3? – ou seja, jogar no lixo as dezenas de bilhões de reais já gastos na obra – e iniciar usinas de energia solar, trazendo um cálculo sobre o preço de energia. Os investimentos em energia solar são ótimos, pena que o país como o nosso não aproveite melhor esta energia disponibilizada gratuitamente pela natureza, porém o sol é uma fonte intermitente, porque nem sempre faz sol, e não tem, nem de longe, o vigor suficiente para sustentar setores que precisam de energia intensiva, como indústrias. Portanto, uma coisa é investir em energia solar; outra é torrar R$ 12 bilhões para “abandonar” Angra 3.

Angra 3 tem capacidade de 1.405 MW (megawatts). É terceira do primeiro programa nuclear brasileiro, iniciado na década de 1970 – as outras duas estão em operação.

As obras de Angra 3 foram paralisadas em 2015 após divergências entre os consórcios responsáveis pela construção e a Eletronuclear, subsidiária da Eletrobras responsável pela operação do parque nuclear brasileiro. Na época, as empresas já eram investigadas pela Operação Lava Jato, que levou à prisão em 2016 o ex-presidente da Eletronuclear Othon Luiz Pinheiro da Silva, condenado a 43 anos por corrupção, lavagem de dinheiro, evasão de divisas e associação criminosa.

AGÊNCIA INTERNACIONAL DIZ QUE BRASIL TEM A MATRIZ ENERGÉTICA MENOS POLUENTE DO MUNDO!

Candidatos: Cadastrem seus currículos conosco | Empresas: Temos Soluções Incríveis que Ajudarão em Seus Recrutamentos

Você é recrutador ou esta a frente do Recursos Humanos de uma empresas sabe como é difícil recrutar o profissional ideal para sua empresa.  Sabemos como o processo de seleção é árduo porque muitas pessoas mandam seus currículos para funções que elas não tem atribuições, sobre-carregando os servidores e as vezes, obrigado até mesmo trocar de e-mail.    

Nós temos um sistema no qual é possivel escolher seus profissionais através de filtros, e mandar um único comando personalizado para as pessoas que passaram e não passaram no processo de seleção, isso com opção ou não de revelar seus contatos. Mas se desejar pesquisar seu candidato ideal em nosso banco de dados, também é possível, temos um grande Banco de Dados qual os melhores profissionais do Brasil com a sua área desejada de atuação. Acessem o nosso PORTAL DE VAGAS E EMPRESAS AQUI e experimente nossos recursos. Garantimos que vocês não irão se arrepender.

The following two tabs change content below.
Flavia Marinho

Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica com ênfase em Automação , Inglês avançado e experiência na indústria de construção naval no estaleiro Brasfels (KeppelFells). Conhecimento dos processos de KPI, planejamento de tubulação, comissionamento e construção de drilling rigs, FPSO’s e reparos.