Petrobras ordenou a retirada de pagamentos para a SBM Offshore

sbm petrobras pagamento corrupção

A SBM Offshore disse na quinta-feira que um juiz interino no Brasil ordenou que a Petrobras começasse a reter uma porcentagem dos pagamentos mensais devidos à SBM Offshore sob certos contratos de afretamento como garantia em relação ao processo de improbidade. A ação foi ajuizada pelo Ministério Público Federal em dezembro de 2017, com base na Lei Brasileira de Improbidade, na Justiça Federal do Rio de Janeiro, contra, entre outros, a SBM Offshore. O procurador federal pediu ao tribunal para impor uma medida provisória como forma de garantir o pagamento de danos potencialmente concedidos.

A decisão de retirar certos pagamentos mensais referencia o fato de a SBM Offshore estar sediada no exterior e a recuperação da empresa de quaisquer danos dependerem de cooperação legal internacional e (in) disponibilidade de ativos no futuro, disse o especialista do FPSO. Segundo a SBM Offshore, antes de tomar uma decisão sobre os valores a serem retidos, o juiz está solicitando mais informações à Petrobras e à SBM Offshore.

A SBM Offshore “discorda fortemente”

“Solicita-se à Petrobras que indique seu interesse em tornar-se autor da ação de improbidade, bem como apresentar evidências sobre o impacto da retenção de valores. A Companhia é solicitada a fornecer informações financeiras sobre os contratos que fazem parte do objeto deste litígio. O governo federal também é solicitado a indicar seu interesse neste litígio ”, acrescentou a SBM Offshore.

O fornecedor holandês de unidades de produção flutuantes acrescentou: “A Empresa discorda fortemente da decisão provisória, está buscando mais esclarecimentos e está tomando todas as medidas apropriadas para defender seus interesses. A empresa informará os mercados se e quando novas informações estiverem disponíveis ”.

Além disso, a SBM Offshore disse que nos últimos meses, a discussão entre o Ministério da Transparência, Fiscalização e Controle (MTFC), o Conselho Geral da República (Advocacia Geral da União – AGU ”), A Petrobras e a SBM Offshore, relacionadas ao acordo de leniência, avançaram.

“A Companhia entrou em contato com as partes nesta discussão para avaliar os próximos passos à luz do desenvolvimento da Lei de Improbidade. Sob as atuais circunstâncias, a Companhia não pode garantir que uma resolução satisfatória seja alcançada ”, disse a SBM Offshore.

De acordo com os números de 2017, a SBM Offshore foi responsável pelas operações de 14 unidades e a manutenção de 16 unidades na frota de locação em todo o mundo, consistindo em 13 FPSOs, 1 FSO, 1 MOPU e 1 unidade semi-submersível. Em 2017, o Brasil foi responsável pela maior parte das operações da frota da SBM Offshore, com um total de sete FPSOs offshore no Brasil, com uma capacidade de produção de 870.000 bopd.



Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Posted Under
Sem categoria
Paulo Nogueira

Sobre Paulo Nogueira

Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.