Petrobras e suas propostas de FPSO para o mês de março no Brasil

FPSO PETROBRAS CONTRATOS MARÇO 2019

A estatal brasileira Petrobras concorda com os termos para à unidade de Búzios, enquanto outro pretende fechar contrato para um flutuador em Mero-2

A Petrobras fechou um acordo com a japonesa Modec para uma unidade flutuante de produção, armazenamento e descarregamento do campo de Búzios, enquanto a gigante petrolífera brasileira também recebeu uma proposta potencialmente vencedora da SBM Offshore para fornecer o FPSO Mero-2. A Modec e a Petrobras começaram a negociar os termos do FPSO de Búzios-5 em fevereiro, após o fracasso da licitante original, Exmar, de concluir seus acordos de financiamento.

Com a equipe jurídica da Petrobras aparentemente convencida de que a empresa controlada pelo Estado pode negociar com o segundo colocado sem entrar em conflito com os procedimentos de conformidade, os negociadores da empresa aceitaram um diarate significativamente maior do que o proposto pelo Exmar, de US $ 635.000. ainda cerca de US $ 100.000 do preço original do Modec de US $ 815.000.

O acordo ainda deve ser submetido à aprovação do conselho da Petrobras, o que significa que a assinatura provavelmente ainda está a um mês ou dois de distância.

Ainda existe um pequeno risco de atraso legal, já que os sindicatos brasileiros tiveram algum sucesso em invocar procedimentos de cumprimento para obter liminares judiciais, mas ainda não há sinais de que isso aconteça.

A unidade de Búzios-5 fornecerá à Petrobras mais 180 mil barris por dia de capacidade bruta de processamento, além de 6 milhões de metros cúbicos por dia de capacidade de movimentação de gás natural.

A data do primeiro petróleo foi recentemente adiada por um ano para 2022, devido a atrasos na contratação.

Em outra grande licitação, a Petrobras abriu licitações comerciais para o FPSO Mero-2, com a SBM aparecendo como a menor oferta, oferecendo uma taxa de dia inferior a US $ 700 mil por dia, disseram as fontes.

“Isso foi agressivo. A SBM estava fazendo uma declaração real sobre a volta ao mercado brasileiro ”, disse uma fonte.

O preço da SBM se compara à cotação diária de US $ 721.000 que a Modec licitou para ganhar o contrato para o FPSO Mero-1, e superou facilmente a última oferta da empresa japonesa, estimada em mais de US $ 790.000.

A SBM não escondeu seu interesse em segmentar o Mero para seu retorno no Brasil.

Os FPSOs Mero-1 e Mero-2 terão capacidade para produzir 180.000 bpd de petróleo bruto e processar 12 MMcmd de gás natural, e devem entrar em produção em 2021 e 2022, respectivamente, trabalhando sob fretamentos de 22 anos.

Em um terceiro desenvolvimento na semana passada, a Teekay Offshore sofreu desqualificação técnica de uma licitação para dois FPSOs no campo petrolífero de Marlim, deixando a Modec em busca de ambas as unidades, mas enfrentando a concorrência de uma das unidades da Yinson Holdings na Malásia.

Dois na corrida pelo prêmio Mero 2 FPSO

A desqualificação de Teekay ocorreu quando a Petrobras discordou de alguns fatores de contingência contidos na proposta, mas o contratado canadense se recusou a continuar sem eles.

O FPSO Marlim-1 terá capacidade para produzir 80.000 bpd de petróleo bruto e 7 MMcmd de gás natural, enquanto Marlim-2 produzirá até 70.000 bpd de petróleo bruto e comprimirá até 4 MMcmd de gás.

A Petrobras oferece uma carta patente de 22 anos, mas permitiu que os empreiteiros apresentassem propostas para uma ou ambas as unidades. Ao licitar as duas unidades, a Modec pode tirar proveito das economias de escala, embora algumas fontes tenham sugerido que a empresa esteja disposta a moderar sua carga de trabalho brasileira e pode até preferir ter uma única unidade.

A Yinson Holdings é uma novata no Brasil.

Fonte: Upstream Online

Sobre Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, com experiência no setor O&G em empresas nacionais e internacionais.