Economia do Brasil cresce mais rápido do que o esperado no terceiro trimestre

Economia Brasil Empregos Empresa Projeto Reforma

Expansão supera as previsões dos analistas e aumenta a esperança de recuperação cíclica da economia brasileira

A economia do Brasil cresceu 0,6% no terceiro trimestre, superando as expectativas dos analistas e reforçando as esperanças de uma recuperação cíclica no maior país da América Latina. O resultado trimestral, divulgado na terça-feira, provavelmente galvanizará os principais formuladores de políticas do Brasil, incluindo o ministro  da Economia Paulo Guedes, que está tentando revitalizar o crescimento por meio de um amplo programa de desregulamentação e privatizações.

Veja também

“Estamos vendo uma recuperação cíclica”, disse Sergio Vale, economista-chefe da MB Associados. “A partir de agora, podemos ver uma recuperação mais rápida. A indústria ainda sofre com ventos contrários internacionais, mas existem alguns segmentos que estão indo muito bem, como agronegócios e imóveis. ”

Comparada com o mesmo trimestre do ano passado, a economia cresceu 1,2%, acima das expectativas dos analistas de 0,9%.

“O crescimento ainda é gradual porque a economia brasileira hoje ainda está se recuperando após uma recessão muito severa”, disse Luana Miranda, pesquisadora do Instituto de Economia Brasileira, apontando para uma crise econômica de anos entre 2014 e 2016.

“No segundo trimestre, o Brasil não havia recuperado nem metade do PIB perdido durante a recessão. Ainda temos uma taxa de desemprego muito alta, enquanto a confiança das empresas e do consumidor ainda é muito baixa. Mas as coisas estão acontecendo. As famílias estão consumindo, os investimentos estão chegando, mas tudo lenta e gradualmente. ”

O desemprego no Brasil permanece alto em 11,6%. Prevê-se agora que o crescimento para 2019 seja de cerca de 1%, aumentando no próximo ano para acima de 2,2%.

Agora, é provável que o foco mude para o banco central brasileiro e se ele reduzirá as taxas de juros para atingir níveis baixos na próxima semana.

O real, a moeda do Brasil, caiu na semana passada para recordes mínimos em relação ao dólar, que os analistas atribuíram em parte à queda nas taxas de juros. A moeda enfraquecida levou o presidente dos EUA, Donald Trump, a aplicar tarifas sobre o aço brasileiro na segunda-feira, depois de acusar o país sul-americano de desvalorizar sua moeda.

“Dado o ritmo fraco da recuperação, o banco central quase certamente – apesar da recente queda na moeda e provavelmente da inflação – reduzirá a taxa Selic para 4,5%”, disse William Jackson, economista-chefe de mercados emergentes da Capital Economics .

No longo prazo, os formuladores de políticas no Brasil estão apostando em uma série de reformas econômicas para impulsionar o crescimento. Em outubro, os legisladores aprovaram uma reforma previdenciária que visa restaurar a confiança na posição fiscal do país.

Agora, Guedes está mudando o foco para rever o sistema tributário bizantino e cortar a burocracia que impede o investimento há décadas.

“Sem dúvida, essas reformas terão um impacto positivo, mas o impacto concreto delas só acontecerá a longo prazo. São reformas estruturais, portanto, precisam de algum tempo para amadurecer ”, afirmou Miranda.

Analistas, no entanto, alertaram que o Brasil continuará sendo atingido no próximo ano pelos ventos internacionais, incluindo uma desaceleração nos EUA e a crise em curso na vizinha Argentina.

“Nossas exportações são fracas por razões domésticas e externas – há guerra comercial, desaceleração das economias e crise na Argentina”, disse Thiago Xavier, economista da consultoria Tendências.

Paulo Nogueira

About Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, com experiência no setor O&G em empresas nacionais e internacionais.