Petroleiras contratam à TGS e Shearwater para mapeamento sísmico na Bacia de Campos

TGS BACIA DE CAMPOS SISMICA
 

A TGS anunciou um novo levantamento sísmico 3D de múltiplos clientes na Bacia de Campos, no Brasil. A pesquisa cobrirá aproximadamente 11.200 km2 dentro da área de permissão concedida e será adquirida pela Shearwater com o navio Amazon Warrior.

O projeto será executado pelo Amazon Warrior a partir do terceiro trimestre de 2019 em os blocos altamente prospectivos da Rodada 16º localizados na Bacia de Campos. A TGS utilizará tecnologias avançadas de geração de imagens (RTM) e construção de modelos de velocidade (FWI) para criar imagens precisas e de alta resolução dos prolíficos objetivos do Pré-Sal.

Os produtos Fast Track estarão disponíveis no verão de 2019 antes da 16ª rodada, com os produtos finais disponíveis no 2T 2020.

“A Shearwater e a TGS têm um relacionamento estabelecido há muito tempo e estamos muito satisfeitos em desenvolver essa parceria ainda mais. O Amazon Warrior da Shearwater é equipado com a tecnologia Qmarine de sensor único líder da indústria e fornecerá à TGS e seus clientes uma plataforma poderosa e eficaz para a pesquisa, ideal para as condições ambientais no Brasil ”, disse Irene Waage Basili, CEO da Shearwater GeoServices.

“A TGS tem o prazer de continuar a boa cooperação com a Shearwater. O uso da tecnologia da Qmarine, combinada com o processamento do TGS, garantirá a mais alta qualidade de dados entregues aos nossos clientes ”, afirma Kristian Johansen, CEO da TGS.

A pesquisa de 11.200 km2 deve durar aproximadamente 8 meses, incluindo trânsitos. Este projeto é apoiado por financiamento da indústria.

O Amazon Warrior é um dos dois navios da classe Amazônia na frota da Shearwater. A embarcação é equipada para operações em todo o mundo, desde ambientes árticos rigorosos, até as condições do Atlântico Sul, onde o design estável da embarcação permite que dados de baixo ruído sejam adquiridos através de uma janela operacional estendida.

Veja também: A Petrobras notificou autoridades regulatórias brasileiras após a detecção de hidrocarbonetos na Peroba, uma gigante perspectiva do pré-sal onde a britânica BP e a Corporação Nacional de Exploração e Desenvolvimento de Petróleo e Gás da China (CNODC) são parceiras. O ativo denominado de 1-BRSA-1363-RJS, foi perfurado em 24 de outubro pelo navio sonda de águas ultraprofundas ODN II. Matéria completa aqui.

Sobre Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, já atuei em empresas do ramo de energia, óleo e gás em operações de completação, perfuração e produção em empresas em parceria com grandes empresas multinacionais do setor.