Petrobras planeja construir mais três gasodutos, Rota 4, 5 e 6

Petrobras
 

Três novas rotas terão, somadas, 515 Km de dutos e servirão para escoamento do gás natural produzidos no pré-sal da Bacia de Santos

O secretário de Petróleo e Gás do Ministério de Minas e Energia, Márcio Félix, declarou em Hoston, durante a OTC 2019, que a Petrobras estuda construir mais redes de gasodutos, que serão chamados de Rota 4, 5 e 6.
As rotas serviriam para ajudar no escoamento do gás natural produzido no Pré-sal da Bacia de Santos, hoje a Petrobras tem a Rota 1, 2 e 3.

Os novos dutos tem capacidade de escoarem até 45 milhões de m3 por dia de gás natural e segundo o estudo inicial teriam 515 Km de extensão.

As novas Rotas

Segundo apresentação do secretário, A Rota 4, ligará a produção do pré-sal até Praia Grande, no litoral de São Paulo, com um gasoduto de 275 km. O projeto teria capacidade para escoar entre 10 e 15 milhões de m3 por dia de gás natural e já está em processo de licença ambiental desde 2014 e tem a COSAN (Controladora da Comgás, distribuidora de gás natural no estado de São Paulo), como responsável.

A Rota 5 é um gasoduto que ligará a produção de gás natural do pré-sal ao Porto do Açu, no Norte do Rio de Janeiro.
A GNA (Gás Natural Açu) está construindo um hub de gás natural com térmicas e terminais de GNL. O ramal teria capacidade para escoar entre 10 e 15 milhões de m3 por dia de gás natural e terá 120 Km de extensão.

Na semana passada A GNA recebeu a a primeira das três turbinas a gás em ciclo combinado da UTE GNA I, principal equipamento que irá compor a ilha de potência da termelétrica.

A Rota 6 ligará o polo de produção do pré-sal ao Porto Central, na cidade de Presidente Kennedy, no Espírito Santo. O ramal também teria entre 10 e 15 milhões de m3 por dia de gás natural de capacidade e terá 120 km de extensão.
O empreendimento no Espirito Santo é uma joint venture entre o Porto de Roterdã e a TPK Logística e recebeu licença de Ibama em agosto de 2018.

Revitalização de campos maduros na Bacia de Campos, podem render US$ 12 bilhões de investimentos !

Sobre Renato Oliveira

Engenheiro de Produção com pós-graduação em Fabricação e montagem de tubulações com 30 anos de experiência em inspeção/fabricacão/montagem de tubulações/testes/Planejamento e PCP e comissionamento na construção naval/offshore (conversão de cascos FPSO's e módulos de topsides) nos maiores estaleiros nacionais e 2 anos em estaleiro japonês (Kawasaki) inspecionando e acompanhando técnicas de fabricação e montagem de estruturas/tubulações/outfittings(acabamento avançado) para casco de Drillships