Volkswagen vai adotar etanol como fonte de eletrificação no Brasil e considera produzir veículos com motor híbrido flex, como faz a Toyota

Valdemar Medeiros
por
-
01-08-2021 10:47:12
em Logística e Transporte
Volkswagen - etanol - Toyota - motor - veículos Modelo hibrido flex a ser produzido – créditos: Mobiauto

Seguindo os passos da japonesa Toyota, a Volkswagen afirma que adotará o etanol como o melhor caminho para a eletrificação do mercado de veículos nacional e considera produzir veículos com motor híbrido flex

Como o Brasil está atrás na corrida para os carros totalmente elétricos, que atualmente são um sonho distante dos consumidores nacionais, a Volkswagen segue os passos da Toyota e pretende lançar veículos com motor híbrido flex, que utilizam etanol. A estimativa é que o sistema da Volkswagen poderá seguir a “receita” de uma versão do Jetta de 2012.

Leia também

Jetta ganha motor híbrido

COMO FUNCIONA UM CARRO HÍBRIDO?

O modelo foi apresentado no Salão de Detroit em 2012 e recebeu uma versão elétrica que combinava o motor 1.4 TSI turbo a gasolina a um pequeno propulsor elétrico com uma potência de 24 cavalos.

O Jetta com motor híbrido possui uma potência de 170 cavalos e 25,5 mkgf de torque, o que entrega ao carro uma potência para ir de 0 a 100 km/h em 8 segundos, um conjunto perfeito para a Volkswagen equipar em modelos como sua futura Tarok, que será uma picape. Resumindo, assim como a Audi, que possui um motor híbrido-leve em SUVs como o Q5, por exemplo, a Volkswagen possui um sistema semelhante.

Volkswagen e sua estratégia para o mercado de Etanol

Durante um evento para imprensa brasileira na quarta-feira (28), o presidente da montadora do Brasil e América Latina, Pablo Di Si, assumiu que adotará o etanol para uma mobilidade sustentável no mercado nacional. Segundo o executivo, não basta olhar apenas para o escapamento do carro, é necessário entender o sistema como um todo.

Di Si faz menção à poluição feita produzida pelos carros elétricos quando se leva em consideração toda a cadeia. Segundo uma pesquisa realizada pela União da Indústria da Cana-de-Açúcar (UNICA), enquanto um veículo totalmente elétrico consegue emitir 54 g de CO2/km, um veículo com motor híbrido flex emite 37 gCO2/km. Para o CEO da instituição, Evandro Gussi, atualmente o carro mais básico que utiliza etanol como combustível no Brasil é mais limpo do que qualquer carro elétrico da Europa.

Segundo o diretor, não é uma questão de “carro elétrico versus etanol”, e sim “carro elétrico mais etanol”. O diretor afirma que o processo de transição para os carros elétricos traz algumas vantagens e ganhos em questão de eficiência se comparados aos motores a combustão, mas no caso do Brasil é necessário resolver, também, o problema da geração elétrica. Segundo Gussi, se sua geração de energia não é limpa, com baixa emissão de carbono, o problema ainda não foi resolvido.

Toyota a primeira montadora a criar um carro híbrido flex

Como a primeira empresa a trazer um veículo deste tipo, a Toyota afirma que será mais vantajoso realizar investimentos em veículos elétricos, movidos a hidrogênio e híbridos. De acordo com Masahiro Inoue, presidente da Toyota para a América Latina e Caribe, a propulsão com motor híbrido é a melhor forma de tornar o mercado automobilístico do Brasil mais sustentável.

Graças ao veículo com motor híbrido flex, desenvolvido pela Toyota, é possível utilizar os benefícios ambientais do etanol, que possuem uma grande presença nacional e também esquecer um pouco os investimentos em redes de recarga para veículos elétricos.  

Tags:
Valdemar Medeiros
Especialista em marketing de conteúdo, ações de SEO e E-mail marketing. E nas horas vagas Universitário de Publicidade e Propaganda.
fwefwefwefwefwe