TCU aprovou privatização de 6 portos do Brasil em 6 estados: MA, AP, PA, AL, BA e PR


TCU aprovou privatização de 6 portos do Brasil em 6 estados: MA, AP, PA, AL, BA e PR

TCU deu aval para a privatizar 6 terminais portuários no Brasil. São prioridades, os leilões nos portos de Santana/AP, Vila do Conde/PA, Maceió/AL, Aratu/BA e Paranaguá/PR.

Boas notícias para Maranhão, Amapá, Pará, Alagoas, Bahia e Paraná: O Tribunal de Contas da União – TCU deu aval para a privatização de novos terminais portuários em Itaqui (MA) e o Programa de Parcerias de Investimentos qualificou como prioridade nacional leilões de terminais nos portos de Santana (AP), Vila do Conde (PA), Maceió (AL), Aratu (BA) e Paranaguá (PR).

Leia também

Relicitação da BR-040 e cinco arrendamentos de terminais portuários passam a integrar portfólio do MInfra

Seis novos ativos de infraestrutura de transportes foram qualificados na quarta-feira (19), durante a 12ª Reunião do Conselho do Programa de Parcerias de Investimentos (CPPI).

Além da relicitação da BR-040, que teve sua qualificação referendada, os arrendamentos de cinco terminais portuários passarão a compor o portfólio do Ministério da Infraestrutura (MInfra).

O ministro Tarcísio Gomes de Freitas participou da reunião, presidida pelo ministro Paulo Guedes (Economia), que teve a presença do presidente Jair Bolsonaro. No total, foram qualificadas 22 novas iniciativas do Governo do Brasil.

A rodovia BR-040, que liga Brasília/DF a Juiz de Fora/MG, tem 941,7km de extensão total. O investimento previsto é de R$ 7,4 bilhões e o leilão deve ocorrer em setembro de 2021.

Já os arrendamentos envolvem os seguintes terminais portuários: Aratu-Candeias/BA (ATU18), granéis sólidos; Santana/AP (MCP02), movimentação e armazenagem de granel vegetal sólido; Maceió/AL (MAC10), movimentação e armazenagem de granel líquido-ácido sulfúrico; Paranaguá/PR (PAR50), movimentação e armazenagem de granel líquido-combustíveis; e Vila do Conde/PA (VDC10), movimentação e armazenagem de granel líquido. O total de investimentos está estimado em R$ 723,51 milhões.

Confira a lista completa de ativos qualificados na reunião do Conselho do PPI nesta quarta-feira (19) para concessão à iniciativa privada:

  • Política de atração de investimentos privados para o setor de turismo;
  • Arrendamentos de 6 terminais portuários: Porto Aratu (BA); Porto de Maceió (AL); Porto de Santana (AP); Porto de Paranaguá (PR); e Porto de Vila do Conde (PA);
  • Inclusão da BR-040/DF/MG/GO;
  • Concessões de 2 parques: Canela e São Francisco de Paula (RS) ;
  • Concessões de florestas: Floresta Humaitá, Floresta Iquiri, e Floresta Castanho (AM);
  • Leilões envolvendo geração de energia nova e transmissão de energia elétrica;
  • Direitos minerários da ANM;
  • Qualificação da Ceitec no PND;
  • Inclusão de lote de participações minoritárias da União no PND;
  • Concessão de 3 terminais pesqueiros: Cabedelo (PB), Belém (PA), e Manaus (AM).

Além de aprovar a inclusão de 22 novos ativos no PPI ou PND, o Conselho do programa aprovou um calendário de privatização de empresas estatais. Veja o calendário de privatizações aprovado pelo Conselho do PPI nesta quarta:

  • ABGF (Agência Brasileira Gestora de Fundos Garantidores e Garantias) – 2º trimestre de 2020;
  • EMGEA (Empresa Gestora de Ativos) – 3º trimestre de 2020;
  • Casa da Moeda – 4º trimestre de 2020;
  • Ceasaminas (Centrais de Abastecimento de Minas Gerais) – 1º trimestre de 2021;
  • Ceagesp (Companhia de Entrepostos e Armazéns Gerais de São Paulo) – 1º trimestre de 2021;
  • Nuclep – 2º trimestre de 2021;
  • CBTU (Companhia Brasileira de Trens Urbanos) – 2º trimestre de 2021;
  • Trensurb (metrô de Porto Alegre) – 2º trimestre de 2021;
  • Codesa (Companhia Docas do Espirito Santo) – 2º trimestre de 2021;
  • Serpro (estatal de TI) – 4º trimestre de 2021;
  • Dataprev (estatal de TI) – 4º trimestre de 2021.

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.

Flavia Marinho

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.