Retornou para á Marinha do Brasil o navio porta-aviões da classe Clemenceau, desativado após suspensão da licitação

Valdemar Medeiros
por
-
06-09-2020 12:51:28
em Indústria Naval, Portos e Estaleiros
Marinha do Brasil - Porta-aviões Porta aviões da Marinha do Brasil

A Marinha do Brasil está assumindo o controle do porta-aviões da classe Clemenceau, desativado, depois que o leilão liderado pelas autoridades locais foi suspenso novamente, confira!

O leilão, que deveria decidir o futuro do navio contendo grandes quantidades de substâncias perigosas, começou originalmente em dezembro do ano passado, mas foi adiado devido à pandemia de COVID-19 e finalmente suspenso gracas a Marinha do Brasil. A causa da suspensão mais recente não foi divulgada.

Leia também

“Ainda não está claro por que o Brasil decidiu interromper o processo. Estamos investigando o assunto ”, disse Nicola Mulinaris , oficial de comunicação e políticas da ONG Shipbreaking Platform, em entrevista.

Encomendado em 1963 pela Marinha Francesa como Foch, o porta-aviões foi adquirido pela Marinha do Brasil em 2000 e tornou-se seu novo carro-chefe. Após vários problemas de capacidade de manutenção, ele foi oficialmente desativado em janeiro de 2017.

Dado que a França era o proprietário original do navio, a cláusula contratual na venda do Foch dá à França a última palavra sobre onde o porta-aviões pode ser desmontado. Por conseguinte, os estaleiros de reciclagem de navios autorizados a participar na licitação tiveram de ser aprovados pelas autoridades francesas.Durante o verão, a França enviou uma resposta oficial ao Brasil, indicando que apenas os estaleiros incluídos na lista da UE de estaleiros de reciclagem de navios aprovados estavam qualificados para receber e descartar o navio, de acordo com a ONG Shipbreaking Platform.

Após a resposta da França, o Brasil analisou as solicitações mais uma vez e, inicialmente, concluiu que apenas um estaleiro listado na UE já havia fornecido toda a documentação necessária para participar da licitação. Pelo menos mais um estaleiro listado na UE supostamente conseguiu nas semanas seguintes enviar a papelada em falta.

Parecia que tudo estava pronto para avançar para a próxima etapa quando o leilão foi inesperadamente suspenso

“Se o processo de leilão for retomado, esperamos que Brasil e França mantenham sua decisão inicial e enviem a embarcação para uma instalação aprovada pela UE – qualquer outra coisa seria um escândalo, dadas as notórias condições precárias em que os resíduos tóxicos são gerenciados nas praias do Sul Ásia ”, acrescentou Mulinaris.

Transformando o navio de guerra da Marinha do Brasil em museu marítimo como uma alternativa ecológica

Em junho de 2018, o Instituto São Paulo / Foch, associação sem fins lucrativos, foi criado com o objetivo de impedir a destruição do navio de guerra e transformá-lo em museu naval com investidores e isentar governo e Marinha do Brasil de gastos.

O instituto usou como modelo o USS Intepid, um dos vários navios-museu dos Estados Unidos. O Instituto São Paulo/Foch espera que o destino do porta-aviões São Paulo não seja igual ao de seu antecessor, o porta-aviões mineiro (antigo HMS Vengeance – classe Colossus) que foi desmontado em 2001 em Alang – Índia.

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.