Geração de energia eólica e solar no Brasil praticamente extingue projetos de hidroelétricas

Paulo Nogueira
por
-
06-01-2020 07:47:22
em Energia Renovável
Geração de energia eólica e solar elétrica Aneel

Com plano de expansão favorável, a geração de energia eólica e solar avançará cerca de 28% até 2027, mantendo o mesmo nível de expansão sem precisar de mais hidroelétricas

Como o segundo maior produtor de energia hidrelétrica depois da China, o Brasil agora pretende manter o mesmo nível de geração de energia eólica e solar deixando um pouco de lado projetos de construção de usinas hidroelétricas que apesar de ser renovável também, é altamente intrusiva e causa muitos impactos ambientais.

Você pode se interessar também

Atualmente, a maioria das usinas hidrelétricas do Brasil estão na bacia hidrográfica da Amazônia. Para o ano de 2020, o Brasil elaborou um plano de expansão de energia de 10 anos. A empresa prevê que sua demanda renovável não-hidrelétrica cresça 3% ao ano. Espera-se que atinja 28% do mix energético doméstico até 2027.

Esse plano que se concentrará na otimização da energia solar é denominado Plano Decenal de Expansão de Energia (PDEE) 2027. Seu principal objetivo é aumentar a capacidade solar fotovoltaica do Brasil. O plano mencionado fará com que os PVs solares instalados aumentem suas capacidades para atingir 8,6 gigawatts (GW) até 2027. Atualmente, o país, através de leilões de energia de projetos novos e existentes, apoia o desenvolvimento de PVs em escala de utilidade pública. Esses leilões são supervisionados e realizados pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel)

Os planos para aumentar a alocação de fontes renováveis ​​não hidrelétricas incluem geração solar distribuída. Isso significa que as matrizes fora da rede de até 5 MW. Atualmente, o Brasil possui mais de 500 MW de capacidade solar instalada de geração distribuída.

Em 2019, mais de 49.000 sistemas fotovoltaicos solares estavam operacionais sob medição líquida no Brasil. Aproximadamente 75% desses sistemas são instalados em áreas residenciais.

Aneel que taxar à energia solar para o consumidor?

No Brasil a energia solar gerada residencialmente pode utilizada de 2 formas distintas: Geração domiciliar para uso próprio ou devolvendo a mesma para a concessionária, gerando créditos e abatendo o valor da fatura, que muitas vezes até zeram a conta.

A justificativa da Aneel para realizar a cobrança da geração da energia solar é porque os consumidores usam a infraestrutura da rede para devolver a energia excedente e ter direito aos créditos. A consulta pública terminou no dia 31 de dezembro e com ela, preocupações de empresas e principalmente de civis sobre a viabilidade de implementação do sistema.

Vale ressaltar também que este projeto de taxação refere-se a energia devolvida a concessionária, agora se você pretende gerar energia fotovoltaica para seu próprio consumo, não há qualquer tipo de imposto.

A Câmara dos Deputados colocará em votação um Projeto de Lei para barrar esta taxação

Após a grande repercussão negativa, o presidente Jair Messias Bolsonaro disse nesta madrugada desta segunda-feira(06):

“Acabei de conversar com Rodrigo Maia e Davi Alcolumbre, sobre a taxação da energia solar proposta pela ANEEL. O Presidente da Câmara porá em votação Projeto de Lei, em regime de urgência, PROIBINDO A TAXAÇÃO da energia gerada por radiação solar. O mesmo fará o Presidente do Senado.”

Aprende instalar painéis solares, gerando sua própria energia ou abrindo seu próprio negócio

Há um ótimo curso do mercado que têm formado centenas profissionais como Instalador de Energia Solar. A RedePetro- CE, administrado pelo seu presidente Vanisio Pinheiro oferece capacitação na área e o melhor, não há necessidade de formação técnica prévia para fazer o curso. Uma parte do aprendizado é online e a outra é presencial. Nele você aprenderá todos os parâmetros de instalação e onde adquirir o material de trabalho com o menor custo possível, incluso todo o suporte logístico. CLIQUE AQUI E SE TORNE UM INSTALADOR DE ENERGIA SOLAR AGORA.

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.