MENU
Menu
Início Em um investimento surpreendente de mais de R$ 2 bilhões, o Brasil financiou a expansão do sistema de metrô na Venezuela, incluindo as cidades de Caracas e Los Teques

Em um investimento surpreendente de mais de R$ 2 bilhões, o Brasil financiou a expansão do sistema de metrô na Venezuela, incluindo as cidades de Caracas e Los Teques

20 de abril de 2024 às 13:47
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
Em um investimento surpreendente de mais de R$ 2 bilhões, o governo brasileiro financiou a expansão do sistema de metrô na Venezuela, incluindo as cidades de Caracas e Los Teques
Foto: Divulgação/MJ

O Brasil financiou a construção e expansão dos sistemas de metrô em Caracas e Los Teques na Venezuela com um investimento de R$ 2,2 bilhões.

A história do financiamento dos metrôs venezuelanos por parte do Brasil começa na década de 90, sob a administração de Fernando Henrique Cardoso, que buscava fomentar o crescimento econômico brasileiro estimulando a exportação de serviços de engenharia. Através do BNDES, grandes somas foram disponibilizadas para empresas brasileiras, incluindo a Odebrecht, para desenvolver projetos internacionais.

Os metrôs de Caracas e Los Teques, financiados com R$ 2,2 bilhões do BNDES, prometiam facilitar o transporte de milhões de passageiros. Caracas, com seu sistema lançado em 1983 e ampliado ao longo dos anos, contava com 48 estações e mais de 70 quilômetros de extensão. Los Teques, embora menor, também recebia uma significativa extensão de linha.

Artigos recomendados

Investimento brasileiro nos metrôs na Venezuela

Contudo, a crise econômica venezuelana e os escândalos de corrupção envolvendo a Odebrecht, especialmente revelados pela Operação Lava Jato, comprometeram severamente a continuidade e a conclusão dos projetos. As revelações incluíam enormes quantias em propinas e financiamentos ilegais para campanhas presidenciais venezuelanas, complicando ainda mais a situação.

O investimento brasileiro nos metrôs venezuelanos destaca-se não apenas pelo montante, mas também pela oportunidade perdida de aplicar tais recursos em melhorias de infraestrutura dentro do próprio Brasil. O atraso nas obras e a dificuldade da Venezuela em cumprir seus compromissos financeiros deixam uma mancha na política externa e econômica brasileira.

A Venezuela, que vive uma grave crise econômica desde 2010, enfrenta dificuldades em honrar seus compromissos financeiros com o Brasil. Isso inclui o pagamento pelo desenvolvimento dos projetos de metrô, que fazem parte de uma dívida maior que ultrapassa 5 bilhões de dólares.

Déficit em transporte público ultrapassa os 850 quilômetros no Brasil

Comparando com as necessidades brasileiras, onde o déficit em transporte público ultrapassa os 850 quilômetros em metrô e trens, a decisão de financiar tais projetos externos gera questionamentos sobre as prioridades e a gestão de recursos públicos.

Enquanto o Brasil continua a lidar com atrasos em receber os pagamentos devidos pelos projetos, a história dos metrôs financiados na Venezuela serve como um exemplo cautelar sobre os riscos de grandes investimentos internacionais sem garantias adequadas de retorno ou de benefício direto para a população brasileira. O debate sobre a eficácia e as motivações por trás desses financiamentos provavelmente persistirá, conforme novos desenvolvimentos e desdobramentos continuam a emergir.

Inscreva-se
Notificar de
guest
104 Comentários
Mais antigos
Mais recente Mais votado
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
104
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x