G20 se prepara para apoiar o maior acordo de fornecimento de petróleo da história

Paulo Nogueira
por
-
10-04-2020 17:02:06
em Petróleo, Óleo e Gás
G20 petróleo opep EUA Países que fazem parte do G20

Os EUA e o G20 estão se preparando para apoiar os planos para o maior contrato de fornecimento de petróleo da história, colocando seu peso nos cortes de produção da Opec e da Rússia e oferecendo contribuições adicionais para estabilizar uma indústria devastada pelo coronavírus.

Veja também

A demanda por petróleo caiu cerca de um terço, já que algumas das maiores economias do mundo se fecharam efetivamente para tentar impedir a propagação do vírus, levando os preços do petróleo ao menor nível em 18 anos e ameaçando milhões de empregos no setor de energia e danos a longo prazo aos suprimentos .

Arábia Saudita e Rússia, cuja aliança lidera o chamado grupo Opec +, concordaram na quinta-feira em reduzir a produção em um recorde de 10 milhões de barris por dia, com contribuições dos membros do G20 – incluindo a compra de petróleo bruto para abastecer estoques de emergência e cortes de investimentos em novo petróleo suprimentos – espera-se que aumentem ainda mais o total em direção a 15 milhões b / d, ou quase 15% dos suprimentos globais.

Na reunião on-line de emergência dos ministros da Energia do G20, na sexta-feira, Fatih Birol, da Agência Internacional de Energia, disse que as “ondas de choque” do vírus criaram o crash do petróleo e ameaçaram a “estabilidade econômica global”.

“O mundo do petróleo sofreu muitos choques ao longo dos anos, mas nenhum atingiu o setor no nível que testemunhamos hoje”, disse Birol, que lidera o principal órgão de energia do mundo.

“Ninguém deve ter a ideia de que essas medidas fornecem uma solução rápida. . . [Mas] como o efeito do confinamento na disseminação do Covid-19, ações para combater o desequilíbrio do mercado de petróleo ajudarão a diminuir o pico e achatar a curva.

O acordo esperado marcará uma vitória diplomática do presidente dos EUA, Donald Trump, que pressionou a Arábia Saudita, o membro mais poderoso da Opep e a Rússia a encerrar uma guerra de preços de um mês que exacerbou a crise nos mercados de energia.

Ele manteve conversas com o príncipe herdeiro da Arábia Saudita Mohammed bin Salman e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, na quinta e sexta-feira, ameaçando tarifas sobre as vendas de petróleo, caso não chegassem a um acordo.

A produção norte-americana já está caindo devido ao colapso dos preços do petróleo, mas os EUA e o Canadá pararam de comprometer-se com restrições adicionais ao fornecimento pelo governo, apontando para cortes em larga escala nos gastos de capital de empresas privadas de energia.

Dan Brouillette, secretário de energia dos EUA, disse na conferência que estimou que a produção de petróleo nos EUA seria reduzida em quase 2 milhões de barris / dia este ano, ou pelo menos 10% da produção do país.

“Este é um momento para todas as nações examinarem seriamente o que cada uma pode fazer para corrigir o desequilíbrio entre oferta e demanda”, disse Brouillette.

As negociações ainda estavam em andamento na tarde de sexta-feira, horário do Reino Unido, depois de mais de três horas, com alguns problemas menores sendo resolvidos antes de uma declaração ser emitida, segundo uma pessoa familiarizada com as negociações. Mas o grupo ainda deve apoiar o plano geral, disse a pessoa.

Roger Diwan, da IHS Markit, disse que a escala da crise forçou os EUA a pelo menos oferecer apoio aos cortes no fornecimento, apesar da longa animosidade de Trump em relação à Opec. Ele frequentemente o culpa por tentar aumentar os preços do petróleo em detrimento dos motoristas americanos.

“A realidade e o pragmatismo finalmente chegaram”, disse Diwan, acrescentando que o acordo de fornecimento era “cerca de sete vezes maior do que as medidas tomadas durante a crise financeira de 2008-2009”.

“Esse corte gigantesco é ditado por um colapso ainda maior na demanda, forçando todos os produtores mundiais a intervir coletivamente, a fim de evitar o colapso da indústria do petróleo.”

Apesar do apoio do G20, persistem dúvidas de que as medidas tomadas serão suficientes. O excesso de oferta ainda ameaça maximizar as instalações de armazenamento em todo o mundo dentro de meses, mesmo que os cortes no fornecimento tenham adquirido tempo.

Isso ainda pode potencialmente forçar paradas não coordenadas de campos de petróleo, o que pode causar danos a longo prazo a reservatórios e suprimentos futuros.

Ainda são esperadas falências generalizadas no setor de xisto dos EUA, ameaçando a posição dos EUA como principal produtor de petróleo e a doutrina de Trump sobre “domínio da energia nos EUA”.

Os comerciantes de petróleo também estão céticos em relação à contagem de cortes na produção causados ​​por preços mais baixos como contribuições para diminuir a oferta, uma vez que eles aconteceriam independentemente de qualquer acordo.

O petróleo Brent, a referência do petróleo, se recuperou inicialmente na quinta-feira antes de cair quase 15% do seu pico, de volta a quase US $ 30 por barril.

Foi negociado a US $ 70 o barril em janeiro, antes de cair para quase US $ 20 no início deste mês. Os mercados estão fechados na sexta-feira para a Páscoa.

Mas um mercado de petróleo no qual os produtores de energia mais poderosos do mundo estão coordenando, pelo menos até certo ponto, é amplamente visto como mais estável do que o restante em queda livre.

“Mesmo se mal implementado, o acordo é substancial e fará diferença no mercado”, disse Ann-Louise Hittle, da Wood Mackenzie.

A crise forçou uma aproximação entre a Arábia Saudita e a Rússia, que iniciou uma guerra de preços do petróleo depois que Moscou rejeitou pedidos para cortar a produção no início de março, antes que a extensão do colapso da demanda fosse totalmente compreendida.

Alguns analistas questionam se a cooperação sobreviverá além da crise. O México atrasou o acordo da Opep + na quinta-feira ao se recusar a fazer grandes cortes, em um estágio ameaçando atrapalhar o acordo.

Alexander Novak, ministro da Energia da Rússia, disse em comunicado à reunião que “o papel do G20 é apoiar de maneira abrangente esses esforços [acordado pela Opec +]”.

“Neste momento difícil, todos os estados devem agir com espírito de parceria e solidariedade.”

Tags:
Paulo Nogueira
Com formação técnica, atuei no mercado de óleo e gás offshore por alguns anos. Hoje, eu e minha equipe nos dedicamos a levar informações do setor de energia brasileiro e do mundo, sempre com fontes de credibilidade e atualizadas.