Após a saída da Ford do país, as multinacionais Honda e Chevrolet paralisam produção de veículos no Brasil e indústria de automóveis pode entrar em colapso

Flavia Marinho
por
-
04-03-2021 13:12:28
em Indústria e Construção Civil
Honda - Chevrolet - fábrica - vagas - produção Fábrica de automóveis da Honda

A diferença é que as multinacionais Honda e Chevrolet, tratam o ocorrido como uma suspensão, e não um encerramento definitivo da produção no Brasil.

Após a grande a saída da montadora Ford do Brasil, Audi a automobilística alemã que faz parte do grupo Volkswagen, também anunciou interromper a produção de carros no Brasil por tempo indeterminado, chegou a vez da Chevrolet e Honda paralisarem a produção de veículos no país e indústria de automóveis pode entrar em colapso.

Leia também

Enquanto o mercado automotivo dá sinais que ainda enfrentará dificuldades para retomar o ritmo de vendas do período pré-pandemia, as fabricantes de automóveis têm mais motivos para ficarem bastante preocupadas.

No início desta semana, a linha de montagem de Gravataí (RS), onde se produz o Chevrolet Onix, teve de interromper suas atividades e ficará por pelo menos um mês com a produção suspensa — a retomada ainda tem data incerta.

Já a multinacional Honda decretou a paralisação do trabalho de sua fábrica em Sumaré (SP) nos primeiros 10 dias de março.

Escassez da oferta de componentes elétricos também impactam a produção de veículos da Honda e Chevrolet

Honda e Chevrolet enfrentam problemas semelhantes devido a escassez da oferta de componentes elétricos disponíveis no mercado global, as indústrias que dependem dessas matérias-primas para fabricarem seus produtos não conseguem mais dar conta de produzirem suas mercadorias em quantidade suficiente.

Para tentar adiar a paralisação total de suas atividades, as fabricantes de automóveis Honda e Chevrolet mantêm a montagem de modelos que ainda possuem peças em grandes quantidades no estoque.

Mas essa medida é paliativa: caso não haja uma aceleração na oferta de componentes eletrônicos, é possível que toda a indústria automobilística sofra um “apagão” de matérias-primas (com exceção, é claro, das empresas que tinham estabelecido contratos prévios para adquirir uma grande quantidade dos componentes em disputa).

De qualquer forma, nem precisa dizer que o consumidor também acabará pagando essa conta. No caso do Chevrolet Onix, por exemplo, há o risco da demanda do mercado superar em muito a oferta disponível — em outras palavras, os preços tendem a aumentar.

Por enquanto, as demais fabricantes em atividade no Brasil ainda não indicaram o risco de paralisação, mas o Grupo Volkswagen já afirmou que sofrerá uma redução global na produção de 100 mil veículos nos primeiros meses deste ano por conta da escassez de matérias-primas.

Tags:
Flavia Marinho
Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica e Automação. Experiente na indústria de construção naval onshore e offshore. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal.