Início Relatório do FMI aponta que alta do petróleo vai ajudar economia do Brasil

Relatório do FMI aponta que alta do petróleo vai ajudar economia do Brasil

22 de abril de 2022 às 12:29
Compartilhe
Siga-nos no Google News
economia do Brasil - alta do petróleo - preço do petróleo - petróleo e gás
Alta do petróleo pode impulsionar economia abrasileira – imagem: FMI




Mesmo com os conflitos entre Rússia e Ucrânia, que tem desestruturado a economia global, o Brasil ainda pode se beneficiar com a alta do preço do petróleo, como uma rota de fuga do abalo de sua própria economia, os dados são do Fundo Monetário Internacional (FMI).

Este ano é possível que o Brasil consiga se beneficiar com a alta do petróleo, encerrando 2022 com um crescimento de 0,8% na economia, de acordo relatório do Fundo Monetário Internacional (FMI), que foi divulgado na última terça, 19. Porém, o Brasil deve seguir com alta inflação (8,2%) e 13,7% de taxa de desemprego, segundo previsões do FMI.  

Brasil se beneficia da alta do petróleo e pode impulsionar economia

Segundo o estudo realizado pelo World Economic Outlook (Perspectiva Econômica Mundial) mostra que a projeção atual de crescimento do Brasil é 0,5% maior do que a estimativa divulgada em meados de janeiro, cujo a previsão era de apenas 0,3% no ano. Porém, o valor é de quase metade do citado na previsão que foi realizada há cerca de 6 meses.

Artigos recomendados

Em meados de outubro de 2021, o FMI previa que o país cresceria pelo menos 1,5% em 2022. O diretor de pesquisa do FMI, Pierre-Olivier Gourinchas, disse em uma entrevista coletiva que o país possuí um dos números mais baixos com relação ao crescimento da região. Gourinchas disse ainda que isso acontece devido a um ciclo agressivo de aperto do Banco Central do Brasil, que usa disso para conter as fortes pressões da alta nos preços.

Entretanto, o diretor de pesquisa do FMI relatou que o Brasil segue sendo um grande exportador de petróleo e, sem sombra de dúvidas, está se beneficiando da alta no preço do petróleo e na energia.

Conflito Rússia X Ucrânia abala crescimento da economia global

O FMI precisou rebaixar a previsão de crescimento da economia global, que era de 4,4% para 3,6%, em comparação ao relatório feito em janeiro. Segundo o FMI, quase todos os países que foram analisados tiveram uma piora de perspectivas, devido à Guerra entre Rússia e Ucrânia. A Rússia, pivô inicial do conflito, foi alvo de inúmeras sanções internacionais, que poderá causar um encolhimento em sua economia, para 8,5% ainda este ano, em meio a uma inflação anual de 21,3%.

Os impactos na economia devido à guerra, que teve início em fevereiro, têm se espalhado para outros países. De acordo com o FMI, a Rússia é um grande fornecedor de petróleo, gás e metais, bem como a Ucrânia, grande fornecedor de trigo e milho. Com a guerra, há uma queda na oferta dessas commodities, fazendo com que os preços se elevem a cada dia, enquanto durar a guerra.

Tudo isso foi apontado no relatório do FMI, que também falou a respeito da alta nos preços de combustíveis e comida, que afetará as casas de baixa renda em um nível global, algo extremamente preocupante. A inflação deve ficar em torno de 5,7% ao ano – a partir deste ano de 2022 – nas economias avançadas e em torno de 8,7% em países em desenvolvimento. O FMI prevê alta de 8,2% nos preços ao longo de 2022 e 5,1% em 2023, somente no Brasil.

Preço do petróleo no mercado internacional

Há cerca de um ano atrás, o preço do barril de petróleo no mercado internacional custava em torno de US$ 60. Mas agora, após a guerra entre Rússia e Ucrânia, o petróleo está na faixa de US$ 100.

A vice-diretora de pesquisas do FMI, Petya Brooks, falou à respeito das eleições presidenciais brasileiras, que já estão próximas. Brooks relatou que qualquer tipo de incerteza eleitoral e política são fatores negativos para o crescimento no país.

Segundo a última edição do boletim Focus, do Banco Central, a previsão de crescimento é de 0,5% do PIB. O Brasil, em meados de fevereiro, apontou uma taxa de desemprego de 11,2%. No mês seguinte, a inflação chegou a 11,3%, de acordo com dados do IPCA, calculado nos últimos 12 meses.




Relacionados
Mais recentes