Petrobras prepara-se para a maior licitação de floteis dos últimos 4 anos

Petrobras licitação de floteis antes da crise
 

A última vez que a Petrobras abriu uma licitação de floteis desta magnitude foi em 2014, antes da crise, os grandes players do setor e o mercado estão “fervorosos”.

Os fornecedores de embarcações de hospedagem estão se preparando para uma competição intensa no dia 21 de janeiro para contrato de fornecimento de Floteis para a Petrobras. Na atual licitação, a Petrobras busca unidades equipadas com posicionamento dinâmico, helipontos e passadiços totalmente automáticos e retráteis, com capacidade para pelo menos 450 pessoas.

Um processo competitivo de licitação online decidirá os vencedores de duas ou mais unidades para trabalhem com Petrobras em um contrato de   três anos renovável.

A proposta é dividida em dois pacotes. As especificações do primeiro impedem embarcações convertidas em forma de navio, enquanto o segundo as permite.

Na primeira licitação, a Petrobras quer que os navios de hospedagem estejam prontos em 150 dias após a adjudicação do contrato, mas existe o risco de que um processo lento de tomada de decisão possa minar a meta de colocar as novas unidades em operação antes do final do ano.

Uma segunda licitação, emitida pouco antes do feriado de Natal, prevê a implantação de um único flotel pela embarcação flutuante de produção, armazenamento e descarregamento P-50 no campo de Albacora Leste e administrada a partir do porto de Vitória, no Espírito Santo. A licitação para fornecimento desta unidade foi marcado para 28 de janeiro.

A Petrobras está buscando uma unidade que estará disponível dentro de três meses a partir da assinatura do contrato, e está oferecendo um prazo de apenas 210 dias, renovável pelo mesmo período.

Os licitantes que devem chegar no dia 21 de janeiro incluem a GranEnergia, que tem sua unidade semi-submersível compacta, Olympia, ligada à Equinor, trabalhando no desenvolvimento de Peregrino na Bacia de Campos.

É provável que a GranEnergia baseie seus lances no navio de acomodação CSS Venus e possivelmente no CSS Themis, que atualmente é de propriedade do construtor Fujian Mawei Shipyard.

O CSS Venus está trabalhando no projeto Kaombo da Total em Angola até meados do ano e deve estar disponível a tempo para qualquer um dos contratos da Petrobras.

The CSS Themis está trabalhando no projeto Egina da Total na Nigéria, sob um contrato de casco nu com a MAC Offshore e também pode estar disponível para os novos contratos da Petrobras.

Quando a GranEnergia comprou o CSS Venus, a empresa brasileira também negociou  direitos exclusivos para o CSS Themis na América Latina, bem como o direito de combinar qualquer oferta de terceiros para adquirir o navio.

Outros concorrentes prováveis ​​no leilão da Petrobras incluem a Floatel International, a PACC Offshore (POSH), a OOS International, a Sea Trucks e a Hornbeck Offshore.

A Prosafe também será uma concorrente vencedora, com três novas unidades docadas no Cosco Shipyard. Estes são os recentemente adquiridos Axis Nova e Axis Vega, além da unidade irmã da Safe Notos, que agora trabalha para a Petrobras no Brasil.

A Edda Accommodation está concorrendo com o monocasco Edda Fides, enquanto o Aquário Brasil, parcialmente pertencente ao estaleiro Sembcorp Marine de Cingapura, também deve aparecer.

“Vai ser muito lotado lá, e os licitantes com monocascos estão pressionando por uma chance de mostrar que eles podem fazer o trabalho bem”, comentou um membro da indústria.

A Petrobras, que em determinado momento tinha nove unidades operando simultaneamente fora do Brasil, se reduz a uma frota de quatro navios de acomodação – OOS Gretha, OOS Tiradentes, POSH Xanadu e Safe Notos -, mas apenas o último deles tem contrato até 2020.


O POSH Xanadu está servindo a Petrobras por um período renovável de oito meses na Bacia de Campos, de modo que a opção mais provável da POSH para a licitação é a SS Arcadia.

A Prosafe também tem o Safe Concordia no Brasil, trabalhando para a especialista em flutuadores japoneses Modec em um contrato de curto prazo que expira em maio.

A última vez que a Petrobras buscou floteis por períodos de três anos ou mais foi em 2014.

Para o novo concurso, os licitantes são cautelosos com o funcionamento do formato de leilão on-line porque a desqualificação técnica pode seguir uma oferta aparentemente bem-sucedida. As especificações mudaram para mitigar o suposto risco de permitir monocascos e até mesmo o formato CCS pode ser desafiado pelas demandas de espaço de convés.

Independentemente da demanda da Petrobras por floteis maiores, a estatal também sinalizou a intenção de buscar unidades menores com capacidade de 200 a 250 pessoas.



Sobre Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, já atuei em empresas do ramo de energia, óleo e gás em operações de completação, perfuração e produção em empresas em parceria com grandes empresas multinacionais do setor.