MENU
Menu
Início Petrobras: perspectiva de reservas de petróleo e energia renovável para os próximos 12 anos.

Petrobras: perspectiva de reservas de petróleo e energia renovável para os próximos 12 anos.

29 de janeiro de 2024 às 15:41
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
barris de óleo, óleo equivalente, combustíveis, hidrocarboneto, AES Brasil, Atapu, B3, Bacia de Campos, Bacia de Santos, Bacia Potiguar, BloombergNEF, BM-POT-17, Braskem, Búzios, China, Eduardo Bartolomeo, Equinor, EUA, Foz do Amazonas, Gás natural, guerra em Israel, Guerra no Oriente Médio, Guido Mantega, Irã, Joe Biden, Maceió, Margem Equatorial, Petrobras, Petróleo, Pitu, POT-M-762, pré-sal, preço do petróleo, Raia (ex-BM-C-33), Reservas, Tupi, Vale
Fachada do edifício sede da Petrobras (Edise) na Avenida Chile, no Rio de Janeiro – Todos os direitos: EPBR

2023: Petrobras encerra o ano com 10,9 bi de boe, sendo 84% óleo e 16% de gás. Investimentos em energia renovável e exportação de GNL.

O mundo moderno é movido a petróleo. A Petrobras tem reservas de petróleo e gás para mais 12 anos. Essa fonte de energia é vital para a economia global, sendo a principal matéria-prima para a produção de diversos combustíveis e produtos derivados.

Recentemente, um ataque no Oriente Médio resultou na morte de americanos, causando uma nova escalada nos conflitos entre as nações produtoras de petróleo. Esse evento teve impacto sobre o mercado de barris de óleo, elevando o preço do óleo equivalente e gerando preocupações sobre a segurança das rotas de transporte desse importante hidrocarboneto.

Artigos recomendados

Reservas de petróleo atingem novo recorde na Petrobras

A gigante do petróleo Petrobras tem alcançado marcos significativos em termos de reservas de petróleo nos últimos anos. Com um total de 10,9 bilhões de barris de óleo equivalente (boe), a empresa tem garantida uma produção constante por mais de 12 anos, mantendo o atual patamar de produção. Isso é vital para a sua posição no mercado de petróleo, especialmente considerando as reservas certificadas pela DeGolyer and MacNaughton (D&M) que seguem o critério SEC, resultando em 84% de óleo e condensado e 16% de gás natural. Além disso, segundo o critério da ANP/SPE, a empresa possui 11,1 bilhões de boe.

Novos investimentos para incrementar as reservas de petróleo

O aumento constante das reservas de petróleo tem sido uma prioridade para a Petrobras, que adicionou 1,5 bilhão de boe ao longo de 2023. Mesmo descontando a produção de 900 milhões de boe e o desinvestimento de 200 milhões de boe, a empresa ainda registrou um aumento líquido de 400 milhões de boe nas reservas. Esse crescimento foi impulsionado principalmente por novos volumes encontrados nos campos de Búzios, Tupi e Atapu, na Bacia de Santos. Além disso, a declaração de comercialidade dos campos de gás de Raia Manta e Raia Pintada, operados pela Equinor, na Bacia de Campos, também contribuiu significativamente.

Desafios futuros para a Petrobras no mercado do petróleo

Apesar dos avanços recentes nas reservas de petróleo, a Petrobras já se prepara para um possível declínio, especialmente em relação ao pré-sal, previsto para a próxima década. Com a produção estimada para atingir o pico entre 2029 e 2030, a empresa destaca a importância de seguir investindo em maximização do fator de recuperação e exploração de novas fronteiras para repor as reservas de petróleo e gás. Além disso, o desafio da revitalização do maior campo de óleo e gás do país, Tupi, que já entrou em fase de declínio na produção, também está entre as prioridades da empresa.

Exploração na Margem Equatorial e entraves ambientais

Em meio a esses desafios, a Petrobras concentra sua atenção na Margem Equatorial, região que vai do Rio Grande do Norte ao Oiapoque (AP) e abrange diversas bacias, incluindo Foz do Amazonas, Pará-Maranhão, Barreirinhas, Ceará e Potiguar. No entanto, a empresa enfrenta oposição do Ibama, especialmente na Foz do Amazonas, o que tem dificultado suas operações na área. Em contrapartida, a petroleira já avançou na exploração da Bacia Potiguar, perfurando poços e identificando presença de hidrocarboneto, embora ainda existam incertezas quanto à viabilidade econômica.

Impacto geopolítico e econômico do petróleo

Além da situação da Petrobras, o mercado de petróleo também é influenciado por eventos geopolíticos, como o recente ataque a uma base militar na Jordânia, atribuído a militantes apoiados pelo Irã. Esses incidentes podem pressionar ainda mais o preço do petróleo WTI, que já acumulou uma alta de 6% na última semana, refletindo também o melhor desempenho econômico dos EUA e anúncios de estímulos na China.

Fonte: EPBR

0 0 Votos
Avalie o Artigo

Inscreva-se
Notificar de
guest
Seus comentários são moderados antes de serem aprovados ou não! Portanto, estão proibidos os seguintes termos: palavras de baixo calão, ofensas de qualquer natureza e proselitismo político. A infração destas regras ocasionará na impossibilidade de comentar e até mesmo exclusão de seu cadastro. Seus comentários, perfil e atividades são vistos por MILHÕES DE PESSOAS, então aproveite esta janela de oportunidades e faça seu cadastro aqui ou faça login com suas redes sociais.
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x