Opinião – até 40% do trabalho de manutenção em FPSOs é ‘desnecessário’

Roberta Souza
por
-
09-07-2020 07:44:40
em Petróleo, Óleo e Gás
FPSO, manutenção FPSO, manutenção

Cerca de 40% do trabalho de manutenção realizado pelos operadores de Unidades flutuantes de produção, armazenamento e transferência (FPSO) foi descrito como “desnecessário” por um relatório da Lloyd’s Register (LR) da sociedade de classificação do Reino Unido

A LR disse na quarta-feira que, ao reduzir essas horas injustificadas, as operadoras poderiam economizar, em média, quase 600.000 libras (cerca de US$ 750.000) por ativo a cada ano, o equivalente a 15 milhões de libras (18,8 milhões de dólares) ao longo da vida útil de um ativo.

Veja ainda:

Usando seu software de manutenção de desempenho de ativos, AllAssets, LR descobriu que, em média, os operadores de FPSO poderiam gastar 500 horas por grupo específico de equipamentos em atividades de manutenção que não reduzem o risco de falha ou preservam o tempo de atividade da instalação.

As descobertas da LRs identificaram espaço para melhorias na maneira como a manutenção é planejada, destacando a necessidade de uma estratégia consistente entre grupos de equipamentos, sistemas e unidades de produção.

Basear-se exclusivamente nas diretrizes do fabricante de equipamento original (OEM) significava que os operadores não eram capazes de qualificar se as atividades de manutenção eram essenciais. A LR alegou que as diretrizes de OEM não levam em consideração a natureza em constante mudança das operações offshore.

Como resultado dessa abordagem, há um risco aumentado de falha à medida que uma lista de pendências de manutenção é gerada, aumentando os gastos e direcionando inadequadamente os recursos.

Victor Borges, especialista em voz do Lloyd’s Register em otimização de manutenção de FPSO, disse: “Em um ambiente que combina ativos energéticos e marítimos, as operações de FPSO são extremamente complexas. […] os operadores estão sob mais pressão do que nunca para gerenciar custos e priorizar as atividades de manutenção que reduzem o risco. Portanto, os operadores podem obter benefícios significativos de nossas descobertas, que destacam áreas de melhoria na maneira como as atividades de manutenção são planejadas.

“Há uma percepção de que a implementação de metodologias que podem ajudar a otimizar as atividades de manutenção é demorada, complexa, complicada e onerosa. Essa atitude, no entanto, apenas gera um círculo vicioso de solução de pequenos problemas, em vez de projetar uma estratégia de manutenção sistemática, informada e otimizada. Essa abordagem levaria as operadoras a economizar tempo e dinheiro significativos a longo prazo.

“[…] os operadores precisam adotar uma abordagem de manutenção baseada em risco, permitindo cortar gastos desnecessários, liberar recursos e reduzir o atraso na manutenção”.

Tags:
Roberta Souza
Engenheira de Petróleo, pós-graduanda em Comissionamento de Unidades Industriais, especialista em Corrosão Industrial. Entre em contato para sugestão de pauta, divulgação de vagas de emprego ou proposta de publicidade em nosso portal. Não recebemos currículos