MENU
Menu
Início Novo motor turbo 100% a etanol da Stellantis com ignição por plasma chega ao mercado automotivo para mudar tudo!

Novo motor turbo 100% a etanol da Stellantis com ignição por plasma chega ao mercado automotivo para mudar tudo!

3 de abril de 2024 às 07:10
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
Novo motor turbo a etanol da Stellantis
Foto: Youtube/Reprodução

A multinacional Stellantis planeja lançar no mercado automotivo brasileiro um novo motor turbo 100% movido a etanol que pode revolucionar o segmento. Entenda todos os detalhes e configurações e como o novo propulsor funcionará.

Em 2019, na época da inauguração de sua nova fábrica de motores em Betim (MG), a multinacional Stellantis revelou ao mercado automotivo um novo projeto de novo motor turbo a etanol de alta eficiência, que recebeu o nome de E4, com base no propulsor 1.3 GSE T4 turbo flex que, nos carros Fiat e Jeep, ficou conhecido como Turbo 270 ou T270.

O projeto do novo motor turbo a etanol foi engavetado tempo depois, mas ressurgiu em 2023, quando a Stellantis divulgou a jornalistas o interesse de apostar mais no biocombustível derivado da cana-de-açúcar, seja por meio de motores híbridos flex, de acordo com a recém-lançada família Bio-Hybrid, ou de conjuntos motrizes alimentados apenas por etanol.

Artigos recomendados

Durante o lançamento da plataforma Bio-Hybrid, que será formada por três tipos diferentes de motorização híbrida, executivos da Stellantis deram pequenas atualizações sobre como vem avançando o desenvolvimento do novo motor turbo a etanol da empresa. Aparentemente, o projeto tomou rumos surpreendentes no mercado automotivo global.

Entenda a estratégia da Stellantis no mercado automotivo com o desenvolvimento do seu novo motor turbo a diesel

Se as informações estiverem corretas, o novo motor turbo a etanol não está mais sendo desenvolvido para tracionar as rodas, mas sim para servir como gerador de energia para um motor elétrico, aos moldes do sistema e-Power da Nissan.

Contudo, o conjunto ainda conta com um microrreformador com o objetivo de otimizar o funcionamento do motor e a geração de energia. O objetivo seria oferecer a tecnologia não para carros de passeio, mas sim, para utilitários de maior porte, que precisam de maior autonomia para rodar.

Como vai funcionar o novo motor turbo a etanol da Stellantis?

Diferente do sistema da Nissan e-Power, usado em carros de passeio de porte compacto, que conseguem rodar com volume de energia relativamente pequeno, utilitários como vans de passageiros e furgões de carga de maior parte, necessitam de mais torque e elasticidade para operar.

Consequentemente, precisam de mais energia simultânea para rodar e de maior autonomia para grandes distâncias. Isso justificaria o uso do motor GSE de quatro cilindros, e não o de três, com sobrealimentação por turbo. Já o reformador serviria para a chamada Reforma e Recirculação de Gases do Escape (REGR), uma evolução do sistema EGR de recirculação de gases presente em motores a diesel.

Através deste motor turbo a etanol da Stellantis, haveria a chamada catálise desses gases e de pequenas quantidades de etanol, transformando os gases que seriam eliminados pelo escapamento em outros quatro: Hidrogênio (H2), Monóxido de carbono (CO), Dióxido de carbono (CO2) e metano (CH4). O hidrogênio e o monóxido de carbono seriam devolvidos à câmara de combustão. Esse H2 permite que se trabalhe com uma ignição por plasma, menos agressiva, gastando menos energia e melhorando o consumo de combustível, além de reduzir ainda mais as emissões.

Stellantis também planeja novo motor híbrido flex

Além do motor turbo movido a etanol, a Stellantis também está desenvolvendo um novo motor híbrido flex, do qual será possível usar outros biocombustíveis em combinação com motores elétricos, reduzindo custos e a pegada de carbono.

Para o executivo da Stellantis, Antonio Filosa, o Brasil conta com amplas alternativas para reduzir rapidamente as emissões de CO2 dos veículos através da combinação de seus biocombustíveis com a eletrificação, mas é necessário o incentivo para que essa transição aconteça.

O executivo, em relação às recentes críticas da imprensa sobre o etanol estar atrasando a eletrificação e o progresso tecnológico do país, comentou que no exterior, essa vantagem brasileira única no mundo é muito bem reconhecida, mas parece que os brasileiros desmerecem as imensas alternativas que só existem aqui.

3.9 12 Votos
Avalie o Artigo

Inscreva-se
Notificar de
guest
Seus comentários são moderados antes de serem aprovados ou não! Portanto, estão proibidos os seguintes termos: palavras de baixo calão, ofensas de qualquer natureza e proselitismo político. A infração destas regras ocasionará na impossibilidade de comentar e até mesmo exclusão de seu cadastro. Seus comentários, perfil e atividades são vistos por MILHÕES DE PESSOAS, então aproveite esta janela de oportunidades e faça seu cadastro aqui ou faça login com suas redes sociais.
14 Comentários
Mais antigos
Mais recente Mais votado
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Gilberto Guimaro Filipini
Gilberto Guimaro Filipini
Visitante
3 de abril de 2024 12:48
Etanol e uma realidade antiga em nosso pais! Nosso povo nao valoriza! Tecnologia esta ai pronta.. vao pra cima e mostrem a capacidade desse combustível renovável que poucos dão valor!
José Roberto
José Roberto
Visitante
Responder a  Gilberto Guimaro Filipini
4 de abril de 2024 09:47
Não é bem assim!
A própria indústria sucroalcoleira não inspira confiança ao mercado, já tivemos cerca de 90% da frota movida exclusivamente a álcool e simplesmente os produtores causaram desabastecimento passando a produzir açúcar para exportação por ter este preço melhor que o do álcool!
Geraldo
Geraldo
Visitante
Responder a  José Roberto
7 de abril de 2024 10:28
Tínhamos 90% da indústria produzindo motores a álcool. Diferente de toda a frota movendo-se a álcool. Mas mesmo assim a dúvida não é na indústria alcooleira mas no governo e suas tendências que afetam a indústria. Resolvido isso. O álcool é a melhor opção para redução de emissão. Quem tem idade lembram do cheiro do ar em grandes centros no Brasil. E compraram com hoje. E muito diferente e melhor. Tem os catalisadores com certeza mas o etanol tem muita importância nesta equação.
Boko Moko
Boko Moko
Visitante
Responder a  Gilberto Guimaro Filipini
7 de abril de 2024 14:32
Sabe dizer se existe alguma usina de etanol que funcione sem consumir óleo diesel em sua operação?
Mauricio
Mauricio
Visitante
Responder a  Boko Moko
9 de abril de 2024 10:19
Quase todas. Elas se utilizam do bagaço da própria cana para tocar as caldeiras e fazer o vapor tocar toda a indústria.
Sérgio Amaral
Sérgio Amaral
Visitante
3 de abril de 2024 13:13
Stellantis só está correndo agora após chineses destronarem as vendas e reduzir preços,o que demonstra que economia de mercado ainda é a melhor formação para o consumidor…..
Caio Boson
Caio Boson
Visitante
3 de abril de 2024 15:33
A questão é saber se temos “massa crítica” intelectual suficiente para explorar o etanol com mais profundidade.
Paulo
Paulo
Visitante
3 de abril de 2024 18:20
Só etanol é cilada. Ficar sem onde ter como bastecer, andando a pé tendo carro. Ou quando conseguia tinha que armazenar em casa com os riscos inerente. Só etanol é encrenca.
Rosenwald pelicari
Rosenwald pelicari
Visitante
3 de abril de 2024 19:35
Essas inovações me trás de volta em 1976. Fiat lançou nesse ano o 147 de correia sincronizadora e motor transversal. Os mecânicos fugiam da novidade mas não se atualizavam. Resultado? O carro foi muito criticado por culpa dos mecânicos….
Dudu Lima
Dudu Lima(@duduopala)
Membro
6 de abril de 2024 00:30
Não dá para entender a mentalidade do governo e de quem produz etanol neste país. Somos o maior produtor de biocombustível do mundo, mas o etanol é vendido aqui a preços exageradamente altos para o consumidor. Há lugares espalhados pelo Brasil em que o litro de etanol ultrapassa o valor de R$ 5,00!
Douglas reis
Douglas reis
Visitante
9 de abril de 2024 06:41
Só motor eletrico é muito caro o bom seria um motor sò a etanol que fosse desenvolvido para ser super econlmico
Celso
Celso
Visitante
11 de abril de 2024 14:12
Infelizmente o brasileiro tende a valorizar o que não é produzido no pais
Fraga Araujo
Fraga Araujo
Visitante
11 de abril de 2024 18:22
Excelente projeto, seria uma espécie de ciclo combinado atalmente usado nas usinad a GN, com 40% de eficiência sobre o comvencional.
Em se tratando de menores potências e novas tecnologias pode-se elevar a eficiência fo sistema.
Paulocafesantos
Paulocafesantos
Visitante
13 de abril de 2024 07:59
Motor a combustão é pra museu. Vamos ficar pra trás perante o resto do mundo. Não tem como competir com motor elétrico. A unica coisa que ainda segura sua completa supremacia são as baterias. Que muito rapidamente vai ser resolvido. E não vai ser por gerador a combustão. Etanol = hidrogênio. Ai sim estamos no caminho do futuro.
Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
14
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x