MODEC conquista contrato e vai fornecer o maior FPSO destinado ao processamento gás de sua frota

modec contrato Austrália caso duplo FPSO

O MODEC do Japão assinou um contrato com a ConocoPhillips para fornecer uma Unidade Flutuante de Armazenamento e Transferência (FPSO) para o campo de Barossa, na costa da Austrália.

O  FPSO Barossa destina-se a produzir gás e condensado a partir de poços submarinos e, após o tratamento, fornecer gás de alimentação à planta de GNL de Darwin por meio de um gasoduto de exportação. O MODEC recebeu um contrato de Front End Engineering Design (FEED) do FPSO Barossa em junho de 2018. O MODEC disse na quarta-feira que havia sido selecionado como empreiteiro chave na mão com base no desempenho bem-sucedido e nas entregas do contrato FEED.

Veja também

O FPSO Barossa é o maior da MODEC de “destinado a produção e tratamento de gás” até o momento, que poderá exportar mais de 600 milhões de pés cúbicos padrão de gás por dia, além de armazenar até 650.000 barris de condensado para exportação. A MODEC será responsável pela engenharia, aquisição, construção e instalação (EPCI) do FPSO Barossa, incluindo equipamentos de processamento de topsides, bem como sistemas marítimos e de casco.

Programado para entrega em 2023, o FPSO será ancorado permanentemente por um sistema interno de amarração de torre fornecido por uma empresa do grupo MODEC, SOFEC.

Casco da próxima geração

A MODEC disse que o FPSO Barossa  seria a primeira aplicação do “M350 Hull” da MODEC. É um casco de nova geração para FPSOs, design de casco duplo completo que foi desenvolvido para acomodar topsides maiores e maior capacidade de armazenamento que os navios-tanque VLCC convencionais, com uma vida útil mais longa de 25 anos ou mais. O casco será construído pela Dalian Shipbuilding Industry em Dalian, China.

O FPSO possui um sistema de geração de energia baseado em caldeira e turbina a vapor, em vez de turbinas a gás convencionais, o que ajuda a reduzir a pegada de dióxido de carbono da instalação.

Yuji Kozai, Presidente e CEO da MODEC, disse: “Este contrato de um FPSO de gás reforça uma de nossas importantes estratégias de negócios, que pretendemos penetrar no mercado de gás. Além disso, este novo contrato representa um marco significativo para a MODEC na aplicação de nosso novo design de casco FPSO de nova geração, que desenvolvemos para atender às novas demandas do mercado por FPSOs maiores. ”

O Barossa FPSO será o sexto FPSO da MODEC na Austrália.

O FPSO estará localizado no campo de Barossa, a 300 quilômetros ao norte de Darwin, e exportará gás para o Darwin LNG por meio de um novo oleoduto de 260 quilômetros ligado ao oleoduto Bayu-Darwin existente. O FPSO também armazenará condensado para descarregamento periódico aos navios-tanque. A área do projeto abrange a licença de petróleo NT / RL5, localizada nas águas da Commonwealth, ao largo do Território do Norte.

FID no início de 2020

Atualmente, a joint venture Barossa é formada por ConocoPhillips (operador de campo, 37,5%), SK E&S Austrália (37,5%) e Santos (25%). Santos também é sócio de uma joint venture na Darwin LNG com uma participação de 11,5%.

Em 14 de outubro, Santos anunciou a aquisição do portfólio da ConocoPhillips no norte da Austrália, incluindo seus interesses em Darwin LNG, Bayu-Undan e Barossa. A conclusão da transação e a venda planejada para a SK E&S farão com que os interesses da Santos nesses ativos aumentem para 43,4%, 43,4% e 62,5%, respectivamente

O diretor-gerente e diretor executivo de Santos, Kevin Gallagher, disse: “Este contrato com o MODEC é o resultado de uma competição FEED e seu prêmio é nosso maior passo no sentido de pressionar o botão no desenvolvimento de Barossa.”

“O projeto é tecnicamente e comercialmente robusto, e estamos fechando o FID no início do ano novo, com contratos para umbilicais submarinos, linhas de fluxo e perfuração de seis poços submarinos de produção a serem premiados em um futuro próximo.”

Chris Wilson, presidente da ConocoPhillips Austrália-Oeste, disse: “Este é o maior e mais significativo contrato a ser concedido para o Projeto Barossa e um marco significativo para se aproximar de uma decisão final de investimento no início de 2020”.

O TechnipFMC já recebeu um contrato para entregar o Sistema de Produção Submarina para o projeto Barossa e o contrato para a engenharia, aquisição, construção e instalação do gasoduto de exportação de 260 quilômetros de gás foi concedido à Allseas.

Paulo Nogueira

About Paulo Nogueira

Formado em Eletrotécnica e entusiasta do setor de tecnologia, com experiência no setor O&G em empresas nacionais e internacionais.