Mesmo com anúncio da Petrobras de congelar o preço do Diesel, isso pode não impedir a greve dos caminhoneiros

Petrobras congela o aumento do preço do diesel  por 15 dias, mas a notícia não é suficiente para impedir a greve dos caminhoneiros prevista para o dia 30 deste mês.

O líder dos caminhoneiros, Wallace Costa Landim, acredita que a notícia de que a Petrobrás manterá o preço do diesel congelado por pelo menos 15 dias ainda não é suficiente para evitar uma greve dos caminhoneiros, prestes a estourar a qualquer momento, sob as lideranças que surgem nas redes sociais. O mesmo alega não ser a favor do movimento, mas que há de 15 a 20 grupos de articulação da paralisação no Whatsapp que fogem ao controle de lideranças sindicais .

A classe entende que os principais compromissos assumidos pelo governo Michel Temer no ano passado não estão sendo cumpridos. Na pauta de reivindicações, o primeiro pleito se trata do piso mínimo da tabela do frete, onde os caminhoneiros alegam que as empresas não estão respeitando o valor mínimo. O segundo item da pauta é o valor do óleo diesel, os caminhoneiros querem que o governo estabeleça um reajuste mensal, e não mais diariamente. “Questionam terem que pagar o diesel em dólar, tendo em vista os lucros exorbitantes da Petrobras”.

Afim de apresentar a pauta de reivindicação, Landim se encontrou com representantes do governo, um dos encontros foi no dia 15, estando com o ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni e também com a Diretoria Nacional de Transportes Terrestres(ANTT) e na sexta, 22, se reuniu com o secretário executivo do Ministério da Infraestrutura, Marcelo Sampaio.

Em uma nota a Petrobras informou, que segundo uma pesquisa global de preços de combustíveis, o Brasil ocupa uma posição intermediária em relação ao preço cobrado do diesel atualmente.

Nesta terça, 26, mediante aos rumores da greve a Petrobrás anunciou que vai manter os preços congelados por no mínimo 15 dias e que vai criar um cartão para os caminhoneiros que poderá significar benefícios aos consumidores. “90% da categoria apoiou a eleição de Bolsonaro. Agora esperamos uma resposta. A Petrobras não responde 100% nossas reivindicações, mas demonstra que o governo busca mecanismos para nos atender”, disse Landim.

Landim anunciou que o movimento perdeu força e que, se chegar a ocorrer greve, serão paralisações pontuais. Três Estados se negam aderir à paralisação marcada para o próximo dia 30, são eles o Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Rio Grande do Norte.

O governo quer evitar a todo o custo, que qualquer tipo de paralisação aconteça. Não quer nem de longe enfrentar o mesmo problema que parou o país ano passado. Para Landim, o governo federal está mobilizado para atender às reivindicações dos caminhoneiros. “Os ministros disseram que até a próxima semana, o próprio presidente Jair Bolsonaro, deve se manifestar sobre os pedidos dos caminhoneiros” informou Landim.

Segundo a entidade que reúne gigantes como a BR Distribuidora, Raízen (joint venture entre Cosan e Shell) e Ipiranga (do Grupo Ultra), o maior problema para os caminhoneiros é a estagnação das vendas, não o preço do diesel.

Petrobras descobre mais Petróleo no Recôncavo da Bahia, clique aqui e fique por dentro de tudo!

Sobre Flavia Marinho

Engenheira de Produção pós graduada em Engenharia Elétrica com ênfase em Automação , Inglês avançado e experiência na indústria de construção naval no estaleiro Brasfels (KeppelFells). Conhecimento dos processos de KPI, planejamento de tubulação, comissionamento e construção de drilling rigs, FPSO’s e reparos.