Maioria dos brasileiros que votaram na enquete vê como positivo o fato da Petrobras se tornar a companhia mais valiosa da América do Sul

Junior Aguiar
por
-
14-05-2022 12:39:42
em Economia, Negócios e Política
maioria das pessoas aprova alto lucro da petrobras Os números mostram que os brasileiros estão otimistas com os ganhos da Petrobras




O portal Clique Petróleo e Gás realizou uma enquete para ouvir as opiniões das pessoas em relação ao lucro trimestral histórico da Petrobras

A Petrobras consolidou a marca de ser a empresa mais valiosa não só do Brasil, mas também de toda América do Sul, após o ganho bilionário registrado nos três primeiros meses de 2022. O maior ganho trimestral da história da companhia foi R$ 44,5 bilhões, bem maior que o do mesmo período de 2021 (R$ 1,2 bilhão).

Na rede social Twitter, o portal Click Petróleo e Gás realizou uma enquete para ouvir dos brasileiros suas opiniões em relação a esse ganho bilionário. Dos votantes, a imensa maioria disse que era “bom” o patamar alcançado pela Petrobras (82,7%). Pouco mais de 10% enxergam como negativo esses ganhos da companhia. Já 6,8% votaram na opção “talvez”.

Artigos recomendados

Os números mostram que boa parte dos brasileiros está otimista com os ganhos da Petrobras, já que dos quase R$ 45 bilhões, aproximadamente R$ 14 bilhões serão destinados à União para que – em tese – sejam investidos em projetos de infraestrutura, educação, segurança, saúde entre outros.

Por outro lado, ainda existe um descrédito da população em relação à Petrobras e seus ganhos bilionários. Afinal, o Brasil atravessa um momento difícil de alta da inflação muito por conta dos preços dos combustíveis. No último reajuste, a gasolina ficou 10,2% mais cara e o diesel subiu 8,87% para as distribuidoras.

Privatização, corrupção e PPI no centro do debate sobre os lucros da Petrobras

A supervalorização da Petrobras, com ganhos maiores que os das petroleiras mais poderosas do planeta, levanta o debate sobre a privatização da companhia.

O Governo Federal quer estudos para que a proposta de vender a Petrobras siga em frente. O ministro de Minas e Energia, Adolfo Sachsida, já entregou ao ministro da Economia, Paulo Guedes, um pedido para iniciar os estudos de privatização.

Por outro lado, o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), disse que a privatização da Petrobras “não está no radar” do Congresso. Para a venda da companhia, é necessário o aval de senadores e deputados federais.

Para uma parcela da opinião pública, privatizar a Petrobras é abrir caminho para que o preço dos combustíveis continuem sendo aplicados em alto patamar. Recentemente, a Bahia, por exemplo, se tornou o estado com o combustível mais caro do Brasil.

Na primeira quinzena de março, a gasolina comum por lá chegou a custar R$ 7,69 o litro. Esse valor foi 15% maior que a média do país naquele período, segundo a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Esses valores foram registrados pouco mais de três meses após a efetivação da venda da Refinaria Landulpho Alves (Rlam), que fica no município baiano de São Francisco do Conde, vendida pela Petrobras para a Acelen.

Sobre a corrupção, há quem defenda que os altos lucros da estatal se dá pela ausência de fraudes e desvios, outrora registrados e desvendados pela operação Lava Jato.

PPI permite que Petrobras estipule preço do barril do petróleo baseado no dólar

Desde o ano de 2016, a Política de Paridade de Importação (PPI) da Petrobras permite que o barril de petróleo produzido pela companhia seja vendido ao preço do mercado internacional, mesmo o produto sendo extraído, boa parte refinado e consumido aqui mesmo no Brasil.

Assim, sempre que o preço do petróleo aumenta lá fora, os combustíveis aumentam no Brasil também. E uma das razões que tem gerado essa alta é a guerra na Ucrânia, pois a Rússia que é o segundo maior exportador e terceiro maior produtor de petróleo global, correspondendo por cerca de 12% da oferta global, vem sofrendo sanções econômicas.

Sites Parceiros

Publicidade




Tags:
Junior Aguiar
Jornalista, formado pela Universidade Católica de Pernambuco | Produtor de conteúdo web, analista, estrategista e entusiasta em comunicação.