MENU
Menu
Início Economia de Alagoas será beneficiada com R$ 1,71 bilhão em royalties de petróleo nos próximos 5 anos, afirma ANP

Economia de Alagoas será beneficiada com R$ 1,71 bilhão em royalties de petróleo nos próximos 5 anos, afirma ANP

5 de dezembro de 2022 às 12:08
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
A ANP estima que os próximos 5 anos serão essenciais para a arrecadação de royalties de petróleo na região. O estado de Alagoas terá uma injeção de mais de R$ 1,71 bilhão na sua economia durante esse período.
Foto: Pixabay

A ANP estima que os próximos 5 anos serão essenciais para a arrecadação de royalties de petróleo na região. O estado de Alagoas terá uma injeção de mais de R$ 1,71 bilhão na sua economia durante esse período.

As previsões da Agência Nacional de Petróleo (ANP) para o futuro da economia de Alagoas estão bastante otimistas nesta segunda-feira, (05/12). A agência anunciou a projeção de uma forte arrecadação de royalties de petróleo de cerca de R$ 1,71 bilhão para os próximos 5 anos no estado nordestino. Os municípios produtores do combustível ficarão com cerca de 80% do valor total da arrecadação, que será destinado a investimentos públicos e desenvolvimento socioeconômico.

Mercado de petróleo em Alagoas possibilitará a arrecadação de R$ 1,71 bilhão em royalties durante os próximos 5 anos, prevê ANP

O mercado nacional de petróleo continua sendo um dos mais rentáveis para a economia dos estados brasileiros, principalmente se tratando de arrecadações para investimentos públicos.

Artigos recomendados

Na região de Alagoas, que vem expandindo esse segmento nos últimos anos, os frutos podem ser colhidos logo em breve.

Segundo a ANP, o estado poderá conseguir uma arrecadação de royalties de petróleo de cerca de R$ 1,71 bilhão durante os próximos 5 anos.

Os royalties são o pagamento feito ao Estado e aos municípios alagoanos em decorrência da exploração de petróleo e gás natural, aplicado em investimentos para melhorias socioeconômicas na região, como obras de infraestrutura.

As previsões da ANP ainda mostram que os municípios produtores do recurso ficarão com uma parcela de 80% desse valor total na sua economia.

O crescimento do segmento de petróleo na região pode ser observado já no ano de 2022. De acordo com a agência, Estado e municípios irão receber R$ 324,5 milhões — sendo R$ 46,5 milhões para os cofres do Executivo Estadual, e R$ 278 milhões, para as prefeituras dos municípios produtores.

Agência projeta crescimento de 9,7% na arrecadação de royalties de petróleo em Alagoas durante o ano de 2026

Para estimar o repasse dos royalties, a ANP considerou o valor médio do dólar a R$ 515, e o preço do barril —Brent— no mercado internacional a US$ 102,13 este ano, e uma média de US$ 95,33 pelos próximos quatro anos seguintes.

Dessa forma, a agência conseguiu fazer fortes previsões quanto à estabilidade da arrecadação dos valores no estado ao fim dos próximos 5 anos.

De acordo com a organização, o estado contará com um crescimento de 9,7% na arrecadação de royalties durante o ano de 2026, chegando a cerca de R$ 356,3 milhões.

Neste ano de 2022, os municípios que mais receberão benefícios à economia com a arrecadação serão Pilar, com um repasse de R$ 18 milhões, São Miguel dos Campos (R$ 16,1 milhões), Coruripe (R$ 12,7 milhões), Marechal Deodoro (R$ 12,4 milhões) e Maceió (R$ 11,7 milhões).

Já em relação ao mercado nacional de petróleo, a arrecadação de royalties e os benefícios à economia são ainda maiores.

A ANP projeta que, para o ano de 2022, os governos federal, estaduais e municipais deverão receber até R$ 117,8 bilhões das empresas do segmento de óleo e gás.

Deste total, R$ 44,9 bilhões deverão ser destinados à União, R$ 38,2 bilhões aos governos estaduais e R$ 24,7 bilhões às prefeituras.

Dessa forma, o mercado de petróleo nacional continua se mostrando como um dos pilares para o desenvolvimento da economia brasileira, impulsionando o crescimento socioeconômico no país.

Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR