1. Início
  2. / Geopolítica
  3. / Cuba se prepara para receber submarino nuclear e navios de guerra da Marinha Russa, marcando um novo capítulo na cooperação militar entre os países
Tempo de leitura 3 min de leitura Comentários 0 comentários

Cuba se prepara para receber submarino nuclear e navios de guerra da Marinha Russa, marcando um novo capítulo na cooperação militar entre os países

Escrito por Valdemar Medeiros
Publicado em 10/06/2024 às 08:42
Cuba se prepara para receber submarino nuclear e navios de guerra da Marinha Russa
Foto: Divulgação

Cuba recebe 3 navios da marinha russa e um submarino. Submarino nuclear e navios de guerra ficarão ancorados por cinco dias em Havana, perto dos EUA.

Um submarino nuclear russo, o Kasan, e três outros navios da marinha russa visitarão Havana, Cuba, de 12 a 17 de junho, conforme anunciado por autoridades cubanas. O Ministério das Forças Armadas Revolucionárias de Cuba afirmou que tanto o submarino quanto os navios de guerra não estão equipados com armas nucleares, assegurando que a visita não representa uma ameaça para a região.

Entenda a relação entre a Marinha Russa e Cuba

Cuba recebe navios da Marinha Russa em meio a tensões crescentes com os EUA devido à guerra na Ucrânia, e um dia após os EUA rastrearem navios e aeronaves de guerra russos que se dirigiam ao Caribe para um exercício militar.

A presença militar russa tão próxima dos EUA, especialmente com um submarino nuclear e navios de guerra poderosos, destaca as tensões sobre a guerra na Ucrânia, onde o governo ucraniano, apoiado pelo Ocidente, luta contra a invasão russa. Essa visita onde Cuba recebe navios da Marinha Russa também coincide com a viagem do presidente Joe Biden à cúpula dos líderes do G7 na Itália. 

Putin sugeriu que Moscou poderia tomar medidas assimétricas em resposta ao apoio dos EUA à Ucrânia. A relação entre Rússia e Cuba se estreitou desde uma reunião em 2022 entre os presidentes Miguel Diaz-Canel e Vladimir Putin.

Durante a Guerra Fria, Cuba foi um aliado essencial para a União Soviética, e a instalação de mísseis nucleares soviéticos na ilha resultou na Crise dos Mísseis de 1962. Segundo o Ministério de Relações Exteriores de Cuba, esta visita do submarino nuclear e navios de guerra da Marinha Russa, corresponde às históricas relações entre os países.

Não é a primeira vez que Cuba recebe navios da Marinha Russa

Durante a chegada da frota russa ao porto de Havana, uma salva de 21 tiros será disparada como saudação à nação, e será reciprocada por uma bateria de artilharia das forças armadas revolucionárias de Cuba. Esta demonstração de força e cooperação militar entre a Marinha Russa e Cuba ocorre em um momento de tensão geopolítica significativa na região.

As visitas de unidades navais de outros países são uma prática histórica do governo revolucionário com nações que mantêm relações de amizade e colaboração, conclui a nota final do Ministério. Moscou não confirmou as informações fornecidas por Cuba.

Não é a primeira vez que navios da marinha russa são enviados para Cuba, um aliado fundamental da antiga União Soviética durante a Guerra Fria. Em 1962, Cuba hospedou brevemente mísseis soviéticos, conforme citado anteriormente. Além disso, o navio de treinamento da marinha russa, Perekop, esteve em Havana por quatro dias recentemente.

Putin ameaça armar aliados

Vladimir Putin, ameaçou entregar armas a países terceiros que podem prejudicar os interesses ocidentais se o Ocidente permitir que a Ucrânia ataque a Rússia com seus mísseis de longo alcance.

Putin afirmou que o uso de certas armas, incluindo o uso de tecnologia avançada de mísseis, equivaleria à participação na Guerra com a Ucrânia e sugeriu esta semana que Moscou poderia tomar medidas “assimétricas” se países ocidentais como a Alemanha e os EUA fornecessem à Ucrânia armas para serem usadas em solo russo.

Putin, em tom de ameaça, afirma que: “se alguém considera possível fornecer tais armas na zona de combate para atacar o território russo por que não deveríamos ter o direito de fornecer as nossas armas do mesmo tipo em regiões do mundo onde há instalações vulneráveis dos países que atuam desta forma contra a Rússia?”.

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Valdemar Medeiros

Jornalista em formação, especialista na criação de conteúdos com foco em ações de SEO. Escreve sobre Indústria Automotiva, Energias Renováveis e Ciência e Tecnologia

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x