MENU
Menu
Início Biden congela licenças para novos projetos e analisa exportação de GNL dos EUA

Biden congela licenças para novos projetos e analisa exportação de GNL dos EUA

29 de janeiro de 2024 às 00:14
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
projetos de exportação de gás natural liquefeito, licenças para novos projetos de exportação de GNL, EUA, Gás Natural Liquefeito (GNL), Instituto Americano de Petróleo (API), Joe Biden, Petróleo, S&P Global
Joe Biden discursa a um grupo de líderes da comunidade judaica, na Sala do Tratado Indiano, sobre seu apoio a Israel após os recentes ataques terroristas do Hamas (Foto: Adam Schultz/White House) – Todos os direitos: EPBR

Os EUA são o maior exportador de GNL. Brasil depende de importações para segurança energética. A influência russa é um tema de análise pendente.

O setor de exportação de GNL vem enfrentando desafios nos Estados Unidos, com o governo anunciando recentemente a suspensão temporária da aprovação de novos projetos de exportação de gás natural liquefeito. Essa medida tem gerado debates acalorados sobre o impacto ambiental e econômico dessa decisão.

Essa suspensão está diretamente ligada às pressões de grupos ambientalistas, que influenciaram a administração Joe Biden a interromper as análises de licenças para novas plantas de liquefação de GNL. A decisão do Departamento de Energia (DoE) reflete a preocupação com os impactos da indústria e a necessidade de rever os processos de aprovação, em meio à corrida eleitoral para a presidência em 2024.

Artigos recomendados

Exportação de GNL: Pausa Temporária e Análise Criteriosa

A minha Administração anuncia hoje [26/1] uma pausa temporária nas decisões pendentes sobre as exportações de GNL – com excepção de emergências de segurança nacional imprevistas e imediatas. Durante este período, analisaremos atentamente os impactos das exportações de GNL nos custos da energia, na segurança energética da América e no nosso ambiente. Esta pausa nas novas aprovações de GNL vê a crise climática como ela é: a ameaça existencial do nosso tempo, afirmou o presidente Joe Biden, em pronunciamento oficial.

A Ascensão dos Estados Unidos como Exportador de GNL

Os Estados Unidos se tornaram o maior exportador de GNL do mundo em 2023, ultrapassando o Catar e a Austrália. São os principais fornecedores do Brasil e têm se posicionado como uma fonte importante de gás para a Europa, em alternativa ao gás russo.

Crescimento da Capacidade de Exportação de GNL dos EUA

A previsão é que a capacidade de exportação de GNL dos EUA cresça dos 84 milhões de toneladas/ano em 2023 para mais de 181 milhões de toneladas/ano em 2030. Isso representaria quase 30% da produção global de gás natural liquefeito ao fim da década, de acordo com a S&P Global Commodity Insights.

Impactos Ambientais e Climáticos dos Projetos de Exportação de GNL

Ambientalistas alegam que continuar a permitir a construção de grandes plantas de exportação de GNL prejudicaria os objetivos climáticos da administração Biden.

A suspensão de novas licenças, anunciada pelo governo americano, marca um ‘importante ponto de virada’ na luta contra as emissões e demais impactos ambientais da indústria do gás nos EUA, de acordo com o grupo ambientalista Sierra Club.

O diretor executivo do Sierra Club, Ben Jealous, questionou o interesse público de novos projetos de liquefação do país, acrescentando que ‘a decisão é uma grande vitória para as comunidades e defensores que há muito falam sobre os perigos do GNL e deixa claro que a administração Biden está ouvindo os apelos para acabar com a dependência da América de combustíveis fósseis sujos e garantir um futuro habitável para todos nós’.

Posicionamento da Indústria e Influência na Geopolítica do Gás

O Instituto Americano de Petróleo (API, na sigla em inglês) emitiu uma carta conjunta com outras entidades representativas do setor alertando para os efeitos da medida. Segundo a indústria local, a suspensão pode reforçar a influência russa na geopolítica do gás.

A carta destaca o papel crítico que as exportações contínuas de GNL dos EUA desempenham na salvaguarda da segurança nacional, na criação de empregos, no apoio aos mercado europeu e na contribuição para os objetivos climáticos globais – quando considerado o gás como um substituto do carvão na economia local e na Ásia.

O fornecimento abundante de gás natural do nosso país é uma ferramenta geopolítica impactante, ajudando a proteger os consumidores americanos da crescente instabilidade global, ao mesmo tempo que promove os interesses nacionais americanos e garante a segurança energética dos principais aliados dos EUA, afirmaram os grupos.

A carta cita que o governo Biden já estendeu o processo de licenciamento de GNL, de sete sete semanas para 11 meses, na média, e que quaisquer mudanças adicionais nas aprovações de licenças de exportação representariam um ‘acréscimo desnecessário a um processo burocrático já oneroso’.

 

Fonte: EPBR

Inscreva-se
Notificar de
guest
Para confirmar a sua inscrição e receber notificações quando alguém responder seu comentário, coloque o e-mail no-reply@clickpetroleoegas.com.br na lista de contato confiáveis, as vezes a mensagem pode cair na caixa de lixo/spam, então verifique nestas pastas também.
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x