Início Após comprar petróleo e gás com preço baixo da Rússia, Shell se desculpa, fecha postos de combustível e encerra negociações no País

Após comprar petróleo e gás com preço baixo da Rússia, Shell se desculpa, fecha postos de combustível e encerra negociações no País

10 de março de 2022 às 11:16
Compartilhe
Siga-nos no Google News
Shell - Rússia - petróleo e gás - posto de combustível - postos de gasolina
Reportagem: Carla Araújo Shell anuncia saída da Rússia, mas compra petróleo russo a preço mais baixo – imagem: Divulgação

A Shell anunciou planos para encerrar seu envolvimento em “todos os hidrocarbonetos da Rússia”. Em uma reviravolta de sua posição no fim de semana anterior, a empresa disse que, “como um primeiro passo imediato”, interromperá todas as compras à vista de petróleo russo

O presidente-executivo Ben van Beurden pediu desculpas pela decisão da Shell, na semana passada, de comprar uma carga de petróleo e gás da Rússia, e reiterou que a empresa comprometerá os lucros das quantidades restantes de petróleo russo que processa para um fundo de ajuda dedicado. A Shell foi condenada pelo ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, no fim de semana, depois que concordou em comprar uma carga de meados de março dos Urais Bálticos da negociação da Trafigura, em 4 de março.

Leia também

Shell e a polêmica envolvendo compra de petróleo da Rússia

Shell anuncia desligamentos com estatais Russas – Reprodução/Youtube

A decisão da Shell de parar de comprar petróleo da Rússia ocorre depois que o presidente-executivo da TotalEnergies, Patrick Pouyanne, disse que os comerciantes de sua empresa não recebem petróleo russo desde o início da invasão da Ucrânia. Pouyanne disse que a TotalEnergies não está enfrentando pressão dos países europeus para rejeitar o gás russo, enquanto também observou que a produtora de gás russa Novatek – na qual sua empresa detém uma participação de 19,4% – não está sob sanções.

A Shell disse que se retirará completamente de seu envolvimento em produtos de petróleo bruto, refinados, gás e GNL “de maneira faseada”, de acordo com as novas orientações dos governos ocidentais. Além da suspensão imediata da compra de petróleo da Rússia no mercado spot, a empresa disse que não renovará contratos a prazo. A Shell levou 2,18 milhões de t (44.000 b/d) de Urais marítimos no ano passado e deveria levar 100.000 t/mês (24.000 b/d) de Urais através do oleoduto Druzhba para a refinaria de Schwedt, na Alemanha, este ano, de acordo com dados da Argus.

Shell afirma que vai se retirar do mercado de petróleo e gás da Rússia

A empresa está mudando sua cadeia de fornecimento de petróleo e gás para remover os volumes da Rússia. “Faremos isso o mais rápido possível, mas a localização física e a disponibilidade de alternativas significam que isso pode levar semanas para ser concluído e levará à redução do rendimento em algumas de nossas refinarias”, disse van Beurden.

Van Beurden destacou que a retirada gradual da Shell de produtos petrolíferos russos, gás de gasoduto e GNL, será “um desafio complexo” que exigirá “ação conjunta de governos, fornecedores de energia e clientes”. A Shell também está fechando seus postos de combustível de serviço na Rússia, juntamente com suas operações de combustíveis e lubrificantes de aviação no país.

“Nossas ações até o momento foram guiadas por discussões contínuas com governos sobre a necessidade de separar a sociedade dos fluxos de energia russos, mantendo o fornecimento de energia”, disse van Beurden.

“As ameaças de hoje para interromper os fluxos de oleodutos para a Europa ilustram ainda mais as escolhas difíceis e as possíveis consequências que enfrentamos ao tentar fazer isso.”

Petroleira afirma retirada do seu envolvimento no projeto de gasoduto Nord Stream 2 e outros

O vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, disse que Moscou pode interromper as entregas de gás para a Europa, através do oleoduto Nord Stream 1, em resposta às sanções da UE e dos EUA.

A Shell anunciou, em 28 de fevereiro, que encerrará seu envolvimento no projeto do gasoduto Nord Stream 2 e sairá de suas parcerias com a gigante de gás russa Gazprom, incluindo sua participação de 27,5% no projeto de petróleo e GNL Sakhalin 2, no extremo leste da Rússia.

Segundo a agência Bloomberg, que monitora esse mercado, a petrolífera pagou US$ 28,50 abaixo do valor do Brent — referência internacional de negociação de petróleo, que disparou após a invasão da Ucrânia e ultrapassou os US$ 110.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes