Menu
Início Revolução nos estaleiros brasileiros: Petrobras anuncia programa que promete movimentar R$ 51 bilhões, revitalizar a indústria naval e gerar milhares de vagas de emprego no setor de petróleo e gás

Revolução nos estaleiros brasileiros: Petrobras anuncia programa que promete movimentar R$ 51 bilhões, revitalizar a indústria naval e gerar milhares de vagas de emprego no setor de petróleo e gás

8 de outubro de 2023 às 08:37
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
emprego - petróleo - vagas - construção - naval - petrobras - plataformas
Trabalhadores em estaleiro de construção naval / Imagem Portosenavios

Petrobras e o descomissionamento de 26 plataformas de petróleo: Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 3), promete injetar inicialmente R$ 9,8 bilhões na indústria naval do Brasil.

A construção naval do Brasil está prestes a viver uma revolução que promete injetar bilhões de reais na economia e gerar milhares de empregos. O programa de descomissionamento de plataformas de petróleo obsoletas da Petrobras, anunciado no início do ano como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 3), promete transformar o cenário dos estaleiros brasileiros.

Confira os detalhes o programa da estatal brasileira e o impacto que ele terá na construção naval, na produção de petróleo e e como ele pode moldar o futuro do setor.

Artigos recomendados

Investimento bilionário abre portas para a revitalização de estaleiros, como o Estaleiro Atlântico Sul Heavy Industry Solutions (EAS) em Pernambuco.

O programa de descomissionamento da Petrobras é uma resposta aos desafios da indústria de petróleo e gás, visando a retirada de 26 plataformas obsoletas entre 2023 e 2027. Essa iniciativa, que faz parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 3), promete injetar inicialmente R$ 9,8 bilhões na indústria naval do Brasil.

Embora os números atuais do programa sejam impressionantes, o potencial é ainda maior. A Agência Nacional do Petróleo (ANP) estima que o descomissionamento pode movimentar até R$ 51 bilhões no Brasil até 2026, considerando outras empresas do setor de petróleo e gás e unidades de produção em terra. Esse cenário abre portas para a revitalização de estaleiros, como o Estaleiro Atlântico Sul Heavy Industry Solutions (EAS) em Pernambuco.

Localizado em Suape, o EAS já possui experiência na construção de plataformas e subsea, atendendo à indústria de petróleo offshore. Com a entrada no mercado de descomissionamento, o EAS demonstra uma estratégia de diversificação de negócios, adaptando-se aos desafios enfrentados pela indústria naval brasileira.

Descomissionamento promete criar empregos e impulsionar a economia, amenizando os impactos dos períodos sem contratos de construção

O descomissionamento de plataformas oferece uma nova oportunidade de negócios para estaleiros brasileiros. Para muitos deles, essa atividade pode ser vista como uma fonte de receita complementar durante períodos de ociosidade. Além disso, a ocupação das empresas com o descomissionamento pode criar empregos e impulsionar a economia, amenizando os impactos dos períodos sem contratos de construção.

Além dos benefícios econômicos, o programa de descomissionamento da Petrobras reforça seu compromisso com a sustentabilidade e a responsabilidade ambiental. A empresa planeja destinar 650 mil toneladas de aço para reciclagem até 2027, contribuindo para a economia circular e minimizando os impactos ambientais.

Este é um momento emocionante para a indústria naval brasileira, com a perspectiva de transformação e crescimento. O descomissionamento de plataformas de petróleo é uma oportunidade única de revitalizar os estaleiros, gerar empregos e contribuir para a economia circular. À medida que a Petrobras e outras empresas do setor avançam nesse programa, o Brasil está posicionado para se destacar na construção naval e na produção de petróleo nos próximos anos. A revolução nos estaleiros está apenas começando, e o país está pronto para colher os frutos desse investimento estratégico.

Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR