Menu
Início Por que os Estados Unidos nunca venderam encouraçados ou porta-aviões para a Marinha do Brasil

Por que os Estados Unidos nunca venderam encouraçados ou porta-aviões para a Marinha do Brasil

11 de junho de 2024 às 18:00
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
Por que os Estados Unidos nunca venderam encouraçados ou porta-aviões para a Marinha do Brasil
A relação entre os Estados Unidos e o Brasil sempre foi complexa, especialmente quando se trata de questões militares. Entre 1930 e 1970, os Estados Unidos nunca venderam encouraçados ou porta-aviões para a Marinha do Brasil. Imagem: Production Navy/Divulgação

A relação entre os Estados Unidos e o Brasil sempre foi complexa, especialmente quando se trata de questões militares. Entre 1930 e 1970, os Estados Unidos nunca venderam encouraçados ou porta-aviões para a Marinha do Brasil.

Durante os anos 1930, a frota brasileira estava estagnada. A Marinha do Brasil buscou apoio dos Estados Unidos para modernizar sua marinha. Na época, os Estados Unidos queriam fortalecer laços com países da América Latina para evitar que se aproximassem de inimigos como a Alemanha e a Itália. Esse interesse americano abriu portas para o Brasil.

Em 1937, com ajuda americana, o Brasil começou a construir contratorpedeiros da classe Marcilio Dias, baseados nos modelos americanos. Durante a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos continuaram a fornecer suporte, incluindo contratorpedeiros de escolta da classe Cannon.

Artigos recomendados

Apesar dessa colaboração, os Estados Unidos nunca venderam navios maiores como encouraçados ou porta-aviões para o Brasil

Em várias ocasiões, os pedidos da Marinha do Brasil foram recusados. Por exemplo, em 1936 e 1937, o Brasil solicitou navios obsoletos da classe Omaha e da classe Wickes, mas o governo americano recusou. Durante a Segunda Guerra Mundial, o Brasil planejou adquirir navios maiores, incluindo porta-aviões da classe Independence e encouraçados da classe Nevada.

No entanto, os Estados Unidos se opuseram a esses pedidos. Eles acreditavam que o Brasil não precisava de uma frota tão grande e que o custo de operação desses navios era alto demais. Os Estados Unidos queriam garantir que o Brasil não tivesse uma frota superior à de outros países da região e preferiam que o Brasil dependesse do suporte americano para questões de soberania.

Além disso, acreditavam que o Brasil deveria focar em melhorar sua infraestrutura e transporte, em vez de investir em navios de guerra caro

Essa postura americana levou a Marinha do Brasil a considerar seriamente a compra de navios britânicos. A partir da década de 1970, o Brasil começou a desenvolver sua própria indústria naval com apoio britânico, construindo fragatas da classe Niterói e adquirindo submarinos da classe Oberon.

Apesar das negativas e da complexidade das relações, os Estados Unidos e o Brasil mantiveram um relacionamento estratégico. Eventualmente, os americanos perceberam a importância de apoiar a Marinha do Brasil e passaram a oferecer outros tipos de navios. No entanto, nunca venderam encouraçados ou porta-aviões para o Brasil. Isso marcou uma era de aprendizado e adaptação para a Marinha do Brasil, que buscou desenvolver sua própria capacidade naval e diversificar seus fornecedores.

Inscreva-se
Notificar de
guest
18 Comentários
Mais antigos
Mais recente Mais votado
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR
18
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x