MENU
Menu
Início Paulo Guedes vai ao exterior visando a implementação de novas fábricas de semicondutores no Brasil

Paulo Guedes vai ao exterior visando a implementação de novas fábricas de semicondutores no Brasil

30 de setembro de 2022 às 09:22
Compartilhe
Compartilhar no WhatsApp
Compartilhar no Facebook
Compartilhar no LinkedIn
Compartilhar no Telegram
Compartilhar no Twitter
Compartilhar no E-mail
Siga-nos no Google News
Paulo Guedes, Brasil, semicondutores
Foto: reprodução agenciabrasil.ebc.com.br

Paulo Guedes destacou o potencial do Brasil em diversos setores industriais e reforçou que o governo pretende “reposicionar a indústria no Brasil”, incluindo a de semicondutores

Paulo Guedes, ministro da Economia, informou nesta quarta-feira (28) no programa “Pânico”, que o governo federal tem uma Medida Provisória para incentivar a implementação de fábricas de semicondutores no Brasil. Desde a pandemia da Covid-19, a produção de semicondutores tem sofrido uma grave crise, a qual têm afetado principalmente a indústria automobilística global.

Implementação das fábricas de semicondutores

Guedes disse que foi ao exterior conversar com os japoneses , uma vez que todo o mundo está à procura de fábricas de semicondutores e eles querem implementá-las no Brasil.  Os arranjos produtivos estão sendo trazidos para o país, pois 75% da produção acontece em Taiwan, que está sob risco político e é muito longe. Guedes acrescenta que busca criar incentivo, sem implantar impostos de renda e já estando com uma MP pronta. O ministro destacou ainda o potencial do Brasil em diversos setores industriais e reforçou que o governo pretende “reposicionar a indústria no Brasil”.

Artigos recomendados

O ministro da Economia pontuou que o Brasil perdeu a primeira revolução industrial e a quinta já está chegando. Com isso, o país irá embarcar nessa nova revolução. O Brasil domina a energia eólica, principalmente, mas também deve assegurar energia barata, segurança energética do mundo e energia solar.

Saiba as novidades da reforma tributária

Paulo Guedes comentou também sobre a reforma tributária que, de acordo com ele, está travada no Senado. Segundo o ministro, a proposta da reforma foi aprovada na Câmara por grande maioria, inclusive com “o apoio da esquerda”. Durante a fala, Guedes criticou uma pequena parcela da direita a quem ele nomeou de “pica-pau”.

Ele disse que na direita são 90% trabalhando, etc, e 10% de pica-pau. Os 10%, por exemplo, bloquearam a proposta da reforma tributária. Disse ainda que conversou com um deputado de esquerda e fez a seguinte pergunta: “Vai deixar passar uma oportunidade dessa? De tributar lucros e dividendos?”.

De acordo com o ministro, depois que a reforma foi aprovada na Câmara, “uma porção de ratinhos baixaram em Brasília e travou tudo”. Paulo Guedes já informou em outras situações sua intenção de usar a taxação de lucros e dividendos, presente na reforma tributária, para custear o valor permanente do Auxílio Brasil em R$ 600.

Renda básica no Brasil

Paulo Guedes elogiou a criação do Plano Real e do Bolsa Família durante a entrevista, mas apontou equívocos nos programas. Segundo o ministro da Economia, uma das consequências negativas do Plano Real foi a estagnação da economia brasileira.

Guedes disse que foi um plano bem desenhado, mas ele teve falhas importantes. Primeiramente, pontuou que achavam que o câmbio era uma âncora e acabaram explodindo a âncora. Segundo ele, o câmbio é para ser flutuante. A segunda falha refere-se à responsabilidade fiscal, que só veio oito anos depois, estagnando a economia brasileira.

Paulo Guedes complementou sua fala dizendo que o ex-presidente Lula foi um interregno, porque conseguiu crescer na esteira da estabilização anterior, mas logo ali, acabou o gás. Ele teve o mérito de ter alguns gastos como Bolsa Família, colocando os mais frágeis no orçamento público, mas que agora isso iria triplicar. O que antes representava 0,4% do PIB, passará a ser 1,5% do PIB, três vezes mais, para 20 milhões de famílias, e 50 milhões de brasileiros.”.

O ministro lembrou também que o governo tinha, em 2018, a intenção de criar um programa de renda básica que, de acordo com ele, teve que ser adiantado com a pandemia da Covid-19 e a criação do auxílio emergencial.

Relacionados
Mais recentes
COMPARTILHAR