Operadoras deverão perfurar cerca de 250 poços de desenvolvimento em 2020


Bacia de Santos abrirá demanda elaborada pela ANP com premissa nos compromissos das operadoras.

De acordo com a  Agência Nacional do Petróleo – ANP, 65 dos 250 poços serão perfurados na Bacia de Santos pelas operados  no ano que vem. As bacias restantes com responsabilidade de desenvolvimento previstos para 2020 são a Potiguar (53), de Sergipe (46), de Campos (41), do Espírito Santo (29), do Recôncavo (13), do Parnaíba (3) e de Alagoas (3).

A Petrobras opera quase a metade dos campos em etapa de desenvolvimento no país  até o momento. Os campos mais evidentes dos 84 atualmente, são as bacias de Santos (22), Recôncavo (17), Potiguar (11), Campos (8) e Espírito Santo (5).

No Brasil ao todo,  são 303 campos produtores e 323 blocos exploratórios contratados a 47 grupos nacionais e 50 estrangeiros. Os compromissos de perfuração de poços exploratórios em 2020 serão apresentados pelas petroleiras à ANP no próximo dia 30 de outubro.

No primeiro semestre deste ano diminuiu 20% em relação ao mesmo período do ano passado o número de novas perfurações (exploratórias e de desenvolvimento),  totalizando 79 poços ante 103 em 2018.  Em comparação aos seis meses anteriores, foram reduzidos 10%

Foram perfurados 52 poços em terra e 27 no mar entre janeiro e junho deste ano. A Bacia Potiguar respondeu por 21,5% do total (17 poços), acompanhada pelas bacias de Sergipe (14 poços), Santos (13), Campos (12), Espírito Santo (10), Parnaíba (7), Recôncavo (quatro), Solimões (1) e Alagoas (1).

Somente a Bacia de Sergipe teve poços offshore com perfuração iniciada em 2019, além de Campos e Santos. Os poços perfurados na Bacia de Sergipe, ambos são do bloco BM-SEAL-4 (3-BRSA-1367-SES e 3-BRSA-1368-SES) da Petrobras, com a sonda Petrobras 10.000, operada pela Transocean.

Neste ano de 2019 as petroleiras Equinor, Shell, Enauta e Total começaram a perfurar na costa brasileira, sendo a Equinor  três poços em Campos e dois em Santos, a Shell dois em Campos e um em Santos, Enauta dois em Santos e Total um em Santos.

A Petrobras deu início à perfuração de poços onshore, sendo16 na Bacia Potiguar, 12 em Sergipe, nove no Espírito Santo, dois no Recôncavo e um em Alagoas. Além da estatal, a Eneva, com sete poços no Parnaíba, a BMG (1 no Espírito Santo), Imetame e Maha Energy (1 no Recôncavo em cada caso), Phoenix (1 na Potiguar) e Rosneft (1 no Solimões).

Segundo a ANP, os compromissos das operadoras associados aos contratos de E&P preveem a perfuração de pouco mais de 30 poços exploratórios e cerca de 150 de desenvolvimento em 2019.

Entre julho e dezembro, 28 blocos terão seu primeiro período exploratório chegando ao fim, com destaque para a Shell (nove em Barreirinhas) e Eneva (sete no Parnaíba), enquanto o REC-T-163, da Imetame, terá seu segundo exploratório expirando. No mesmo período estão previstos para terminar os planos de avaliação da descoberta do BT-PN-1 e BT-PN-4, da Eneva, na Bacia do Paranaíba.

Petrobras desenvolve robô pintor de plataformas

Um passo simples para se trabalhar embarcado mas poucos conhecem...

Um dos mercados mais almejados para profissionais que desejam trabalhar no mar é o offshore, principalmente em navios de cruzeiro, embarcações de apoio e marcantes. As escalas de trabalho são diferenciadas, podendo-se trabalhar apenas 6 meses e folgando mais 6. Assista o vídeo revelador que têm ajudado muitas pessoas no Brasil a ingressar neste mercado aqui.
Posted Under
Sem categoria