Mesmo com perna amputada, ele continua trabalhando offshore

Mesmo com perna amputada, ele continua trabalhando offshore

Off Por Paulo Nogueira

O acidente aconteceu com Felipe do Carmo a bordo da unidade Ocean Whittington em 2010 que na época era operado pela Petrobras. Entendam esta história de superação com detalhes

Em 11 de abril de 2010 ocorreu um grave acidente a bordo do Ocean Whittington, operando na época para a Petrobras no Brasil, onde o ferroviário Felipe do Carmo (22 anos) sofreu amputação de sua perna direita abaixo do joelho durante uma operação que acabou esmagando sua perna.

Mesmo com as ações da equipe médica a bordo e depois em terra, incluindo a equipe de resgate de evacuação médica, a amputação era necessária para salvar a vida de Felipe. Mesmo com muito apoio dado a Felipe e sua família, o processo de recuperação não seria fácil. Seria necessário começar a reaprender as habilidades básicas, exigindo acima de tudo o desejo de superar o desafio diante dele.

Superação! Esta é a palavra chave na história de Felipe ao longo dos anos desde o acidente. Com o apoio da Diamond Offshore na época, Felipe pôde receber próteses avançadas e participou de inúmeras sessões de fisioterapia e consultas médicas, tudo em um esforço para acelerar a recuperação e ajudar a minimizar a dor física e emocional envolvida. Ao longo desse processo, Felipe contou com o apoio da Diamond e, mais importante, do apoio incondicional de sua esposa e família.

No final de 2010, no mesmo ano do acidente, Felipe já voltou ao trabalho, mas agora como Assistente Ambiental na equipe de SSMA da Brasdril Shorebase. Desde então, ele se formou em um programa de Técnico em Segurança, curso de Gestão Ambiental e concluiu seu MBA em QSMS. Em paralelo, ele avançou em sua fluência em inglês( Saiba como ser fluente em inglês em apenas 6 meses aui), sabendo que isso ajudaria ainda mais em seu desenvolvimento profissional.

Em 2015, a prótese original de Felipe estava exigindo manutenção que a garantia expirada não cobriria. O Diamond Offshore avaliou a situação e concordou que uma nova prótese seria apropriada, pois permitiria que Felipe continuasse sua recuperação. As características da nova prótese permitiriam que Felipe subisse as escadas com mais facilidade e maior segurança. Também é à prova d’água, o que permite que Felipe aproveite as atividades aquáticas com segurança e estabilidade. A mudança foi feita e após três dias completos de sessões de fisioterapia e treinamento, Felipe iniciou a próxima fase de sua jornada, adaptando-se muito bem à nova prótese.

Diante dos avanços nessa nova prótese, a gerência da Brasdril e Felipe começaram a discutir a possibilidade de ele fazer o treinamento necessário para que ele pudesse embarcar em suas plataformas para desempenhar tarefas relacionadas ao seu papel de HSE. O Dr. Luciano Oliveira trabalhou com a Petrobras e Felipe nas discussões necessárias e conseguiu a aprovação da Diamond. Felipe então fez o treinamento necessário, incluindo o CBSP (STCW) e passou todas as etapas, e foi aprovado sem restrições.

Após algumas reuniões finais com a Petrobras, o primeiro embarque offshore de Felipe foi finalmente aprovado em 11 de abril de 2016, exatamente 6 anos após o acidente. Felipe foi ao Ocean Valor para acompanhar uma auditoria ambiental, passando cinco dias a bordo da sonda. Com isso, Felipe tornou-se o primeiro operário com prótese a se deslocar para o exterior em toda a história de 60 anos da Petrobras, uma grande conquista para Felipe e abrindo um caminho precursor para profissionais com Necessidades Especiais que desejam desempenhar funções offshore.

Depois de todos os desafios, Felipe do Carmo, atualmente com 30 anos, ele agora exerce atividades na empresa EQUINOR, é um exemplo do que é preciso para superar adversidades e desafios e continuar a ter sucesso.


A seguir, algumas palavras de Felipe em sua história

“Eu gostaria de compartilhar mais sobre a minha experiência para todos que conhecem a minha história de vida dentro da empresa. na época, embarquei pela primeira vez depois de seis anos do meu acidente. O sentimento era como renascer, e não seria ser possível sem o apoio de cada um de vocês, especialmente o Dr. Luciano, que sempre acreditou que seria possível desde o início quando me visitou em minha casa em 2010.

A jornada foi longa. Seis anos se preparando para retornar aos deveres offshore e, finalmente, este dia chegou. Coincidência ou não, meu primeiro embarque aconteceu em 11 de abril de 2016 no Ocean Valor (SS-77) na mesma data que seis anos atrás eu sofri o acidente no Ocean Whittington (11 de abril de 2010). Estou muito feliz em ser a primeira pessoa com deficiência (perna amputada) no Brasil capaz de embarcar em qualquer plataforma da Petrobras, da mesma forma que um funcionário regular.

Mas o mais importante era se virar e acreditar que seria possível reiniciar. Aqui está o meu muito obrigado a todos vocês e as empresas e me fizeram acreditar. “ Texto autoral de Luciano Oliveira, Gerente Global de Saúde da Diamond Offshore