1. Início
  2. / Energia Renovável
  3. / Índia deslumbra o mundo com o ‘SG4 BIG DISH’: o maior e mais poderoso concentrador solar já construído
Tempo de leitura 3 min de leitura Comentários 0 comentários

Índia deslumbra o mundo com o ‘SG4 BIG DISH’: o maior e mais poderoso concentrador solar já construído

Escrito por Valdemar Medeiros
Publicado em 29/12/2023 às 22:23
Índia deslumbra o mundo com o 'SG4 BIG DISH' o maior e mais poderoso concentrador solar já construído
Foto: O tempo/Reprodução

Índia inaugura o maior concentrador solar do mundo, com 26 toneladas e mais de 380 espelhos parabólicos, capaz de gerar eletricidade para múltiplos estabelecimentos.

Na região ocidental da Índia, foi instalado o maior e mais eficiente concentrador solar do mundo, um marco na geração de energia renovável. Este projeto pioneiro visa fornecer eletricidade sustentável a um centro de pesquisa e a um hospital, destacando o compromisso da Índia com a saúde pública e o avanço científico. Esta iniciativa de energia solar reflete uma estratégia de longo prazo focada no bem-estar das pessoas e no progresso tecnológico.

Concentrador solar recebe o nome de SG4 Big Dish

Esse impressionante concentrador solar da Índia fornecerá energia para uso do ar condicionado, equipamento muito essencial para o país, e também em outras aplicações diárias. Atualmente a equipe de trabalho está alinhando essa construção monumental, que pesa 26 toneladas, com a trajetória do sol, visto que é necessário maximizar o desempenho da irradiância.

É importante lembrar que a irradiância é usada para definir a potência da radiação eletromagnética que atinge um determinado local. Também vale ressaltar que é essencial definir o valor da constante solar. Tudo isso é realizado por meio do rastreador solar RaZon+ da Kipp & Zonan que registra a irradiância, a duração do sol em horas e a energia.

O concentrador solar instalado na Índia, que conta com 380 espelhos parabólicos, recebe o nome de SG4 Big Dish. E não é tudo, visto que a sua área refletora de energia solar cobre uma área impressionante de 500 m². Localizado em seu ponto focal está um coletor térmico, que possibilita que os espelhos parabólicos concentrem a luz solar.

Com a energia gerada pelo concentrador solar, as operações de esterilização e lavanderia podem ser realizadas no hospital. Como se já não fosse o suficiente, também possibilita preparar 2 mil refeições por dia.

Desafios encontrados na implementação do gerador de energia solar na Índia

Para ter sucesso na maximização da eficiência deste concentrador solar, o monitoramento extremamente preciso do sistema RaZON+ da Kipp & Zonen da OTT HydroMet foi essencial. Sendo assim, foi possível alinhar o equipamento de energia solar com a trajetória do sol, possibilitando que a irradiação seja captada na sua máxima expressão. Com o passar dos meses, surgiram desafios como o movimento das nuvens que impacta a quantidade de energia recebida.

Com isso, a previsão do tempo aplicada ao funcionamento diário do concentrador solar é essencial. Entretanto, este avanço tecnológico é um modelo a seguir para cobrir as demandas energéticas de uma forma mais sustentável.

Sem dúvidas, é uma iniciativa que pode ser replicada no mundo, podendo fazer parte das políticas climáticas urgentes, gerando assim uma visão mais esclarecedora dos passos a seguir para um estilo de vida amigo da natureza.

Construção do concentrador solar 

A missão era desenvolver uma antena solar de grande área para gerar eletricidade com custo mínimo de instalação, quando produzida em massa e em larga escala. Requisitos adicionais incluíam minimizar o risco técnico e maximizar a confiabilidade. A facilidade de transformação dos operadores e a aplicabilidade de uma gama de opções de conversão de energia foram considerados pontos atrativos para investidores.

O processo de projeto seguiu princípios rigorosos de projeto de sistemas e levou em conta cuidadosamente as interações entre os principais subsistemas de estrutura, espelhos, fundação, receptor e atuação, à medida que cada um foi desenvolvido em paralelo.

Enquanto o projeto anterior da antena SG3 de 400m² dependia da montagem de componentes de estrutura espacial pré-fabricados precisos para produzir o parabolóide necessário, o projeto SG4 depende de um gabarito reutilizável muito preciso, para fornecer a precisão da estrutura que suporta a superfície óptica.

Inscreva-se
Notificar de
guest
0 Comentários
Feedbacks
Visualizar todos comentários
Valdemar Medeiros

Jornalista em formação, especialista na criação de conteúdos com foco em ações de SEO. Escreve sobre Indústria Automotiva, Energias Renováveis e Ciência e Tecnologia

Compartilhar em aplicativos
0
Adoraríamos sua opnião sobre esse assunto, comente!x