China se tornando neutra em carbono: o que isso significará para o transporte marítimo?

Valdemar Medeiros
por
-
22-10-2020 11:22:15
em Marítimo
China - carbono - marítimo Porto de Paranaguá

Em setembro, o presidente da China, Xi Jinping, prometeu perante a Assembléia Geral da ONU tornar a China neutra em carbono até 2060, mas o que isso significaria para o transporte marítimo mundial?

Esta é uma meta ousada para a China, que se trata do maior poluidor do mundo em um momento em que o país planeja desenvolver cerca de 150 gigawatts em usinas de carvão. Como reduzirão todo o nível de carbono? O esforço gigantesco está sendo revelado à medida que a UE fortalece seus objetivos do acordo de Paris, prometendo reduzir as emissões em 55% até 2030, de acordo com suas políticas do Acordo Verde.

Leia também

EUA também planeja se tornar neutro em carbono igual a China

Por outro lado, os Estados Unidos, o segundo maior emissor de CO2 do mundo, deve abandonar o tratado em novembro sob a orientação de Donald Trump, que, se reeleito, provavelmente voltará atrás nos esforços ambientais do país. Ao mesmo tempo, alguns estados continuam comprometidos com seus esforços ambientais, como a Califórnia, que quer se tornar neutra em carbono até 2045.

O anúncio da China ocorre antes da Conferência das Nações Unidas sobre Mudança Climática de 2021, COP26, que deveria ser realizada este ano, mas foi adiada devido ao COVID-19.

Espera-se que a conferência resulte em ações climáticas mais ambiciosas dos governos globais para manter o aquecimento global abaixo de 2C. Reduzir as emissões nas cadeias de abastecimento globais, setores industriais e prometer atingir a neutralidade do carbono tornou-se uma tendência importante nos últimos dois anos em meio à pressão crescente do público para reduzir as emissões.

Lideres da indústria do petróleo e gás investem em energias renováveis

Somente neste ano, vimos muitas grandes empresas de petróleo e gás, como Shell, BP e Equinor, anunciarem seus objetivos de transição energética com uma grande mudança para investimentos em energias renováveis.

O setor de transporte também está testemunhando uma mudança em direção a investimentos em energias renováveis como hidrogênio ou vento offshore, o exemplo mais recente sendo o Scorpio Bulkers, revelando planos para construir um navio de instalação de turbina eólica maciça enquanto se livra da frota de graneleiros.

É necessária uma grande mudança na implementação de políticas

A promessa de Pequim exigirá uma mudança rápida e massiva na formulação e implementação de políticas para cumprir a meta de neutralidade de carbono para 2060. Mas, se alguém pode fazer isso neste ritmo, a China pode, como seu histórico mostrou!

Ou seja, a China se tornou uma potência de manufatura de tecnologia limpa e um líder mundial em energia renovável, resultando em um aumento repentino de investimentos para apoiar projetos solares e eólicos nos últimos cinco anos.

Por um lado, a China está ocupada fazendo avanços no domínio da energia eólica offshore, pois espera-se que supere a florescente indústria offshore do Reino Unido.  

Tags:
Valdemar Medeiros
Formado em Segurança do trabalho, especialista em marketing de conteúdo em conjunto de ações de SEO e Universitário de Publicidade e Propaganda.