Início Brasil cria primeira criptomoeda via token da América Latina! Ela será lançada até setembro de 2022 como um ativo digital independente de governos e terá suporte para o Metaverso. Criação surgiu em Balneário Camboriú

Brasil cria primeira criptomoeda via token da América Latina! Ela será lançada até setembro de 2022 como um ativo digital independente de governos e terá suporte para o Metaverso. Criação surgiu em Balneário Camboriú

30 de junho de 2022 às 22:49
Compartilhe
Siga-nos no Google News
criptomoeda ativo digital independente governos token américa latina brasil metaverso Balneário Camboriú
Cidade do Brasil vai ser a primeira da América Latina a ter uma criptomoeda própria, com wallet e token | Foto: Olhar DIgital

Empresa Wayne Soluções Digitais, especialista em criptomoeda, é responsável por criação inédita no Brasil

Mais um grande feito brasileiro: agora temos uma criptomoeda independente, associada a token e wallet próprio, a chamada BC Token. Essa criação surgiu em Balneário Camboriú, no litoral de Santa Catarina, e trouxe a ela o título de primeira cidade a ter uma moeda própria na América Latina, com ativo digital independente de governos e que pode funcionar até no metaverso. A tecnologia permite o controle das transações por meio do celular.

A empresa Wayne Soluções Digitais, com sede em Balneário Camboriú, é quem está por trás dessa inovação. Ela é especializada em criptomoedas e blockchain há muitos anos. Graças a essa nova tecnologia regional, as transações financeiras vão ser mais fáceis e o ativo digital vai ser independente, permitindo pagamentos online e presenciais e envios instantâneos de quantias significativas para qualquer lugar do mundo. Entenda mais sobre essa invenção na matéria de hoje.

Artigos recomendados

Entenda um pouco mais sobre o que é a criptomoeda e como funciona no vídeo abaixo

Criptomoedas fazem parte da nova era de investimentos e finanças no mundo | Reprodução — YouTube: Empiricus

Projeto de nova Criptomoeda ainda está em fase de testes e vai ser lançado esse ano

O projeto teve iniciativa da Wayne Soluções Digitais em parceria com a empresa IHit, e agora está na fase de testes para evitar qualquer tipo de erro após as operações. A IHit teve um dos seus projetos valorizado em 3.600% em 2021, e agora busca mais um novo feito.

“Pensado para fazer parte do dia a dia financeiro de qualquer pessoa na cidade, de turistas a comerciantes, passando por investidores, o BC Token vai se valorizar à medida que ganhar volume de mercado, da mesma maneira que aconteceu com moedas digitais como o Bitcoin, por exemplo. O BC Token será um ativo e também uma plataforma de NFT´s para o Metaverso, com imagens geradas pelos próprios usuários com ferramentas tecnológicas acessíveis. Balneário Camboriú é o nosso laboratório. Vamos inovar nesta cidade que é vanguardista por natureza, mas os planos da iHit Full HUB é ativar moedas virtuais em outros municípios do Brasil ainda este ano”.

Anderson de Almeida, empresário multisetorial, CEO da IHit e desenvolvedor (2022)

Essa criptomoeda é ainda mais inovadora porque é capaz de financiar diversas transações ligadas diretamente ao metaverso. Isso inclui compra, venda ou locação, turismo e entretenimento na região de Balneário Camboriú e possibilidade de liquidar o token a qualquer momento para real. Além disso, a moeda incorpora os utility tokens, que são ativos digitais que ampliam o acesso a produtos e aplicações no mercado de investimentos.

Sendo assim, a moeda favorece e facilita as transações dos turistas e moradores da região, por meio da bcwallet, que poderá ser usada também no comércio como forma de pagamento. Os desenvolvedores estão preparando uma pré-venda para daqui a 60 dias, oferecendo a criptomoeda a um preço abaixo do mercado e de seu valor original após lançamento oficial.

Afinal, o que é o Blockchain usado nessa nova moeda?

Além de todos os benefícios, a criptomoeda criada em Balneário Camboriú tem o blockchain relacionado, sendo um tipo de livros de registros com partes distintas espalhadas e que montam um quebra-cabeça para decifrar as transações realizadas. Dessa forma, os registros não se perdem e são seguros, impedindo que pessoas com más-intenções façam a leitura reatroativa dos códigos e consigam gerar um tipo de conluio da rede.

À medida que um bloco é extraído, outros são registrados e assim a cadeia cresce. Em outras palavras, essa construção em blocos permite que os participantes do mercado consigam rastrear suas transações, mas que elas sejam mantidas em sigilo perante os demais, sem qualquer registro central.

Curtiu? Apoie nosso trabalho seguindo nossas redes sociais e tenha acesso a conteúdos exclusivos. Não esqueça de comentar e compartilhar.
Facebook Facebook
Twitter Twitter
LinkedIn LinkedIn
YouTube YouTube
Instagram Instagram
Telegram Telegram
Google News Google News

Relacionados
Mais recentes